Arquimedes de Siracusa

Arquimedes de Siracusa


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Arquimedes de Siracusa - História

Arquimedes é conhecido como um dos três maiores matemáticos de todos os tempos, junto com Newton e Gauss. Ele era conhecido por muitos como "o sábio". Outros se referiam a ele como "o mestre". No entanto, ele era mais conhecido como "o grande geômetra".

Arquimedes provavelmente obteve seu interesse pela matemática de seu pai, Fídias, que era astrônomo. Ele estava tão interessado em resolver problemas que isso se tornou mais ou menos seu hobby. Dizia-se que ele se consumia em resolver problemas, que muitas vezes se esquecia de comer. Sua verdadeira fome era aprender o máximo que pudesse sobre matemática. Isso o levou a ser aluno da escola de Euclides, para aprofundar seus conhecimentos matemáticos.

Seu fascínio por resolver problemas, em qualquer lugar ou a qualquer hora, gerou algumas histórias interessantes. Dizia-se que ele desenharia pó, sujeira ou o que quer que estivesse disponível. Ele também era conhecido por desenhar problemas geométricos em seu estômago com azeite de oliva.

A fama de Arquimedes veio de seu relacionamento com Hiero, o rei de Siracusa. Ele passou a maior parte de seu tempo tentando resolver problemas para o rei. Sua solução mais conhecida foi em relação à coroa de ouro. O rei Hiero estava preocupado que o metalista que estava fazendo para ele uma coroa de ouro estivesse substituindo parte do ouro por outro metal. O rei Hiero chamou Arquimedes para encontrar uma maneira de ver se a coroa era feita de ouro puro ou uma combinação de metais. Arquimedes encontrou a solução para provar isso enquanto tomava banho. Ao entrar em uma banheira cheia de água, ele percebeu que o peso de seu corpo deslocou uma certa quantidade de água. Sabendo que esse mesmo princípio poderia ser usado na coroa, ele se esqueceu de si mesmo com entusiasmo. Ele pulou da banheira e correu nu pela cidade, gritando "Eureka, Eureka."

Certa vez, Arquimedes fez a declaração: "Dê-me uma alavanca longa o suficiente e um lugar para ficar, e eu moverei a terra." Após esta declaração, o Rei Hiero pediu-lhe para provar isso. Esse desafio dizia respeito a um enorme navio no porto que não podia ser lançado por todos os homens de Siracusa. Arquimedes lançou a nave com a ajuda de uma grande alavanca, comprovando sua afirmação.

Algumas de suas outras invenções foram o parafuso de irrigação e o planetário em miniatura. No entanto, seu trabalho teórico foi sua vocação principal. O trabalho com alavancas e roldanas ajudou a facilitar as coisas. A descoberta do deslocamento da água na banheira levou à hidrostática. Ele também trabalhou em cálculo integral e trabalhou em pi.

O rei Hiero veio a Arquimedes para obter ajuda no desenvolvimento de armas para lutar contra o general romano Marcelo, que atacou Siracusa por terra e mar. Para parar o ataque dos soldados. Arquimedes inventou a catapulta. Isso arremessou pedras de 500 libras nos soldados que avançavam. Para impedir a invasão por mar, ele inventou grandes garras que pegaram os navios de Marcelo, ergueram-nos da água e os esmagaram contra as rochas. Os navios que não estavam perto o suficiente para serem capturados com garras foram destruídos por outra invenção. Espelhos foram usados ​​para aumentar os raios do sol e pegar fogo nas velas dos navios inimigos, destruindo grande parte de sua frota.

Todas essas invenções assustaram os romanos e dificultaram a captura de Siracusa.

  1. Arquimedes não sabia da tomada da cidade, pois pretendia resolver um problema desenhando figuras na poeira. Quando o soldado veio capturá-lo, ele pisou na poeira onde Arquimedes estivera trabalhando. Arquimedes disse: "Não perturbe meus círculos." Isso deixou o soldado tão furioso que ele desembainhou a espada e o matou.
  2. Um soldado encontrou Arquimedes e disse-lhe que o seguisse até Marcelo. Arquimedes se recusou a segui-lo até que ele resolvesse seu problema. Isso enfureceu o soldado, então ele desembainhou sua espada e o matou.
  3. Enquanto Arquimedes trabalhava, um soldado veio levá-lo para Marcelo. Ele começou a arrastá-lo para longe do trabalho. Arquimedes passou a dizer ao romano "Afaste-se do meu diagrama". Quando o soldado o puxou, Arquimedes se virou e percebeu que ele era romano. Ele gritou: Alguém me dê um dos meus motores. "Isso assustou tanto o romano que ele desembainhou a espada e o matou.
  4. Quando o soldado veio matar Arquimedes, ele pediu ao soldado para esperar e permitir que ele resolvesse o problema em que estava trabalhando. O soldado, indiferente ao pedido, ficou com raiva de sacar sua espada e matar Arquimedes.
  5. Arquimedes estava levando instrumentos matemáticos, mostradores, esferas e ângulos para Marcelo. Um soldado o viu e pensou que ele estava carregando ouro em uma embarcação. Ele o matou pelo ouro.

Uma coisa que todas as histórias contam é que Arquimedes foi morto nas mãos de um dos soldados de Marcelo. Ao ser enterrado, Arquimedes possuía uma lápide com a figura de uma esfera inscrita em um cilindro. Eles tinham a proporção de 2: 3 de volume entre eles, pelo que ele era famoso.


Arquimedes de Siracusa - História

Arquimedes foi, sem dúvida, um dos cientistas mais ilustres do mundo e o maior cientista da era clássica. Ele foi um eminente físico, matemático, engenheiro, inventor, astrônomo e estudioso. Ele pertencia ao seu tempo, bem como, à frente de seu tempo.

Arquimedes nasceu em Siracusa, na Sicília, cidade portuária, em c. 287 AC. Naquela época, Siracusa era uma colônia da Magna Grécia, que era autogovernada. Não se sabe muito sobre seu pai, exceto que ele era um astrônomo e atendia pelo nome de Fídias. Em Plutarco e linhas paralelas, Plutarco faz uma referência a Arquimedes sendo parente do governante de Siracusa, o rei Hiero II. Ele diz que Arquimedes alcançou tanta fama por causa dessa relação próxima, com o rei e seu filho, Gelon. Arquimedes costumava ajudar Hiero a resolver problemas complexos e surpreenderia totalmente a todos, com sua destreza.

Ele passou toda a sua vida em Siracusa, exceto por um breve período durante sua juventude, quando foi estudar em Alexandria, no Egito, na escola fundada pelo famoso matemático grego Euclides.

Arquimedes tem várias descobertas matemáticas e outras invenções em seu nome. Ele se antecipou ao cálculo e à análise modernos por meio da aplicação de conceitos, como o método da exaustão e dos infinitesimais. Por meio desses conceitos, ele também trabalhou no sentido de derivar, bem como, provar uma gama de teoremas geométricos, como a área de superfície e o volume de uma esfera, a área de um círculo e a área sob uma parábola. Além disso, ele é creditado com a aproximação precisa de pi, a criação de um sistema usando exponenciação para expressar grandes números e investigação da espiral, que leva seu nome. Ele também é conhecido por projetar máquinas de ponta, incluindo polias compostas, máquinas de guerra defensivas, para ajudar a Hiero a proteger Syracuse da invasão e bomba de parafuso.

Embora Arquimedes seja considerado um dos cientistas altamente ilustres da Antiguidade clássica, não se sabe muito sobre seus escritos sobre o mesmo. Os matemáticos de Alexandria leram e citaram Arquimedes e não foi até c. 530 aC que a primeira compilação detalhada foi feita por Isidoro de Mileto em Constantinopla bizantina. Os comentários sobre o trabalho de Arquimedes & rsquo foram compilados e escritos por Eutocius no século 6 DC.

As obras e invenções de Archimedes & rsquo foram uma fonte influente e inspiradora para os cientistas durante o período do Renascimento.

Arquimedes morreu durante a 2ª Guerra Púnica em c. 212 AC quando as forças romanas capturaram Siracusa, após um cerco de 2 anos. Ele foi morto por um soldado romano, Furioso, apesar das ordens do General Marcus Claudius Marcellus de não ferir Arquimedes. O soldado havia ordenado a presença de Arquimedes, mas seu comando não foi obedecido pelo cientista, pois ele estava ocupado contemplando um diagrama matemático. Há outro relato menos conhecido de sua morte feito por Plutarco, segundo o qual Arquimedes morreu enquanto tentava se render ao soldado romano. O soldado o matou pensando que os instrumentos matemáticos que carregava eram algo de grande valor.

& lsquoNão perturbe meus círculos & rsquo são as últimas palavras creditadas ao grande cientista. Era uma referência aos círculos matemáticos que ele desenhava, quando perturbado pelos soldados romanos. Muito parecido com suas últimas palavras, sua tumba descreve seu famoso diagrama de uma esfera em um cilindro do mesmo diâmetro e altura. Ele provou que a área da superfície e o volume de uma esfera são 2/3 de um cilindro, o que inclui sua base.

137 anos após a morte de Arquimedes e Cícero, o orador romano encontrou seu túmulo em uma condição dilapidada perto da data Agrigentina em Siracusa. Cícero estava servindo como questor na Sicília, naquela época, e tinha ouvido falar de todas as obras e descobertas de Arquimedes, mas os habitantes locais não conseguiram fornecer a ele a localização exata da tumba. Ao descobrir o túmulo, ele o limpou e viu que seu túmulo consistia em versos esculpidos.

No início dos anos 1960, foi descoberta outra tumba no Syracuse & rsquos Hotel Panorama, que se dizia ser de Archimedes & rsquo. No entanto, não há evidências para provar que a tumba era de Archimedes & rsquo e sua localização hoje é desconhecida.

Descobertas e invenções de Arquimedes e rsquo

Uma série de descobertas e invenções são atribuídas ao nome de Archimedes & rsquo. Algumas de suas descobertas são declaradas abaixo:

Princípio de Arquimedes e rsquo e o enigma do rei Hiero II e coroa rsquos

A obra mais famosa de Arquimedes é a invenção de como medir o volume de um objeto de formato irregular. Há uma história por trás dessa invenção. O rei de Siracusa, o rei Hiero II, convocou Arquimedes para verificar se sua coroa votiva era feita de ouro puro ou se o ourives o enganara substituindo-a por prata. O problema aqui era que Arquimedes tinha que resolver o problema, sem causar nenhum dano ou dano à coroa. Isso significava que ele não poderia derreter a coroa para calcular sua densidade. Um dia, enquanto tomava banho, ele percebeu que o nível da água na banheira subia e transbordava conforme ele mergulhava nela. Foi nesse momento que ele percebeu que pode usar esse mesmo efeito para medir a densidade da coroa. Ele ficou tão animado que imediatamente saiu da banheira e correu nu pelas ruas da Grécia, gritando & lsquoEureka! Eureka! & Rsquo, o que significa & lsquoI encontrei & rsquo. Arquimedes encontrou a solução para os problemas de King & rsquos e sabia que tinha que encontrar a densidade da coroa e combiná-la, com a densidade do ouro puro como Densidade = Massa / Volume. Ele conduziu o teste com sucesso e descobriu-se que o ourives havia realmente enganado o rei ao misturar prata na coroa.

Esta descoberta é conhecida como Princípio de Arquimedes & rsquo ou Lei da Flutuação e é descrita em detalhes em seu tratado, On Floating Bodies. De acordo com o princípio, quando um corpo está imerso em um fluido, ele experimenta uma força de empuxo, que é igual ao fluido que ele desloca. O Dia Internacional do Banho, que é comemorado no dia 14 de junho, origina-se originalmente desta mesma descoberta da banheira de Arquimedes. Ele percebeu que o volume de um objeto pode ser determinado com precisão submergindo-o na água e, desde então, o dia do banho tradicionalmente promove o valor das descobertas da hora do banho.

Neste dia, observado por crianças e adultos, é recomendável tornar a hora do banho interessante, aprendendo sobre afundar, flutuar, volume e conceitos básicos de física semelhantes.

Conquistas em Engenharia - Archimedes & rsquo Screw

As invenções de Arquimedes e o trabalho em engenharia surgiram principalmente da satisfação das necessidades de Siracusa. Atenáceo de Naucratis, o escritor grego, descreve um incidente de como Arquimedes foi contratado pelo rei Hiero II para projetar um navio, chamado Siracusia. O navio deveria servir a três propósitos, simultaneamente - transportar suprimentos, como meio de viagens de luxo e como navio de guerra. O Syracusia, com capacidade para 600 pessoas, junto com um ginásio, decoração de jardim e um templo para a deusa Afrodite, tornou-se o maior navio a ser construído na antiguidade clássica.

Como um navio de tamanho tão grande vazará muita água pelo casco, o parafuso de Archimedes & rsquos foi desenvolvido para expelir a água do porão. Este dispositivo de Arquimedes apresentava um cilindro, com uma lâmina giratória em forma de parafuso no interior. A máquina tinha que ser girada à mão e também poderia ser utilizada para transferir água para canais de irrigação de corpos d'água baixos.

Vitruvius descreveu o parafuso de Arquimedes & rsquo na época romana como uma versão aprimorada da bomba de parafuso usada para regar os Jardins Suspensos da Babilônia. Curiosamente, o parafuso Archimedes & rsquo ainda é usado hoje para bombear sólidos granulados, bem como, líquidos como grãos e carvão. Em 1839, o SS Archimedes, um navio a vapor de alto mar, com hélice helicoidal, foi lançado e batizado em homenagem a Arquimedes e sua excelente descoberta do parafuso.

The Claw of Archimedes & amp the Defense of Syracuse

Para proteger a cidade de Syracuse de ataques, a garra de Archimedes & rsquo foi inventada. A garra de Arquimedes era amplamente conhecida como o agitador de navios e foi projetada como o braço de um guindaste. A garra equilibrou um grande gancho de metal suspenso. Quando a arma fosse largada sobre os navios de ataque, seu braço balançaria para cima e tiraria o navio da água, podendo até mesmo afundá-lo.

Uma série de experimentos modernos foram conduzidos para descobrir a viabilidade da garra de Archimedes & rsquo. Em 2015, Superweapons of the Ancient World, um documentário televisionado, construiu uma versão da arma e chegou à conclusão de que o dispositivo realmente funciona.

Luciano, o autor do século 2 DC, escreveu que Arquimedes havia destruído navios que atacavam Siracusa, com fogo. Diz-se que ele pode ter usado vários espelhos para queimar as naves inimigas, que agiam coletivamente como refletor parabólico. Algumas centenas de anos depois, os óculos de fogo foram mencionados como arma de Arquimedes & rsquo por Antêmio de Tralles.

O raio de calor de Archimedes & rsquo era um dispositivo que focalizava a luz do sol nas naves inimigas que se aproximavam, fazendo com que pegassem fogo. Heliostático ou forno solar é um dispositivo semelhante ao do raio de calor que foi construído nos últimos tempos.

Desde a Renascença, a arma de Arquimedes & rsquo tem sido um grande assunto para debate. Dúvidas e questões foram levantadas quanto à sua credibilidade. Embora as pesquisas contemporâneas tenham feito uma tentativa de recriar o dispositivo usando apenas os meios que estariam disponíveis para Arquimedes, René Descartes o rejeitou abertamente como falso. Foi proposto que uma variedade de escudos de cobre ou bronze altamente brilhantes como espelhos podem ter sido utilizados para direcionar a luz do sol para um navio.

Em 1973, Ioannis Sakkas, um cientista grego, realizou uma série de testes no raio de calor de Arquimedes em Skaramagas, uma base naval situada nos arredores de Atenas. 70 espelhos medindo 5 por 3 pés foram usados ​​para o experimento e cada um deles foi coberto com um revestimento de cobre. Todos os espelhos eram apontados para uma réplica de um navio de guerra romano feito de madeira compensada, que estava a uma distância de 50 m (160 pés). Com o foco preciso dos espelhos, a nave pegou fogo, em poucos segundos. A combustão pode ter sido acelerada devido à presença de revestimento de tinta de alcatrão na maquete do navio. Navios, com revestimento de alcatrão, eram comuns, durante a era clássica.

Outro experimento para verificar a credibilidade do raio de calor foi realizado pelos alunos do Massachusetts Institute of Technology em outubro de 2005. O experimento foi realizado usando ladrilhos de espelho quadrado de 30 cm (127 um pé). As telhas foram apontadas para um protótipo de navio situado a uma distância de 30 m (100 pés). Aqui, a nave não pegou fogo, mas um pedaço da nave pegou fogo. Além disso, o navio só pegou fogo depois de ficar parado por cerca de 10 minutos e o céu estar limpo. Esta experiência concluiu que o dispositivo era funcional, mas apenas nas condições acima mencionadas. O mesmo experimento foi repetido pelos alunos do MIT para MythBusters, um programa de televisão. Aqui, eles usaram um barco de pesca feito de madeira em San Francisco. Mais uma vez, houve alguma quantidade de carbonização e chamas, mas o navio não foi incendiado. Para a madeira explodir em chamas, ela deve atingir uma certa temperatura de autoignição, que é de aproximadamente 570 & deg F (300 & deg C).

Quando o resultado do experimento em San Francisco foi ao ar pela MythBusters em janeiro de 2006, ele foi colocado na categoria de reprovado. Isso ocorre por causa dos requisitos de combustão das condições climáticas perfeitas e da duração. Foi ainda apontado que o raio de calor só teria funcionado se a frota romana tivesse atacado durante a manhã, quando os requisitos ideais de luz e céu claro foram atendidos, já que Siracusa estava situada de frente para o mar em direção ao leste. Além disso, MythBusters acrescentou que, em tais circunstâncias, teria sido muito mais fácil e conveniente usar parafusos ou flechas flamejantes de uma catapulta para incendiar navios que estavam a uma distância menor.

A história do raio de calor foi novamente examinada em uma edição notável, & lsquoPresident & # 39s Challenge & rsquo, por MythBusters em dezembro de 2010. Vários experimentos foram realizados, incluindo um extenso teste sendo realizado por 500 crianças em idade escolar segurando espelhos focados em um protótipo de navio romano situado a uma distância de 120 m (400 pés). Todos os experimentos falharam porque a vela não atingiu a temperatura exigida de 410 & degF (210 & degC). Portanto, o raio de calor foi novamente declarado & lsquobusted & rsquo ou falhou.

O programa de televisão concluiu que os efeitos plausíveis dos espelhos poderiam ter sido deslumbrantes, distrativos ou cegantes para a tripulação do navio.


Conteúdo

Arquimedes nasceu c. 287 aC na cidade portuária de Siracusa, na Sicília, na época uma colônia autônoma na Magna Grécia. A data de nascimento é baseada em uma declaração do historiador grego bizantino João Tzetzes de que Arquimedes viveu 75 anos antes de sua morte em 212 aC. [17] No Sand-Reckoner, Arquimedes dá o nome de seu pai como Fídias, um astrônomo sobre o qual nada mais se sabe. [25] Uma biografia de Arquimedes foi escrita por seu amigo Heracleides, mas esta obra foi perdida, deixando os detalhes de sua vida obscuros. Não se sabe, por exemplo, se ele já se casou ou teve filhos, ou se alguma vez visitou Alexandria, no Egito, durante sua juventude. [26] A partir de suas obras escritas que sobreviveram, é claro que ele manteve relações colegiais com estudiosos baseados lá, incluindo seu amigo Conon de Samos e o bibliotecário-chefe Eratóstenes de Cirene. [uma]

As versões padrão da vida de Arquimedes foram escritas muito depois de sua morte por historiadores gregos e romanos. A primeira referência a Arquimedes ocorre em As histórias por Políbio (c. 200 - 118 aC), escrito cerca de setenta anos após sua morte. Ele lança pouca luz sobre Arquimedes como pessoa e se concentra nas máquinas de guerra que ele teria construído para defender a cidade dos romanos. [27] Políbio comenta como, durante a Segunda Guerra Púnica, Siracusa mudou de aliança de Roma para Cartago, resultando em uma campanha militar para tomar a cidade sob o comando de Marco Cláudio Marcelo e Ápio Cláudio Pulcher, que durou de 213 a 212 aC. Ele observa que os romanos subestimaram as defesas de Siracusa e menciona várias máquinas projetadas por Arquimedes, incluindo catapultas aprimoradas, máquinas semelhantes a guindastes que podiam girar em um arco e atiradores de pedra. Embora os romanos tenham conquistado a cidade, eles sofreram perdas consideráveis ​​devido à inventividade de Arquimedes. [28]

Cícero (106-43 aC) menciona Arquimedes em algumas de suas obras. Enquanto servia como questor na Sicília, Cícero encontrou o que se presumia ser a tumba de Arquimedes perto do portão Agrigentino em Siracusa, em uma condição negligenciada e coberta de arbustos. Cícero limpou a tumba e pôde ver a escultura e ler alguns dos versos que foram acrescentados como inscrição. A tumba carregava uma escultura ilustrando a prova matemática favorita de Arquimedes, de que o volume e a área da superfície da esfera são dois terços do cilindro, incluindo suas bases. [29] [30] Ele também menciona que Marcelo trouxe para Roma dois planetários construídos por Arquimedes. [31] O historiador romano Tito Lívio (59 aC-17 dC) reconta a história de Políbio sobre a captura do papel de Siracusa e Arquimedes nela. [27]

Plutarco (45-119 DC) escreveu em seu Vidas Paralelas que Arquimedes era parente do rei Hiero II, governante de Siracusa. [32] Ele também fornece pelo menos dois relatos sobre como Arquimedes morreu depois que a cidade foi tomada. De acordo com o relato mais popular, Arquimedes estava contemplando um diagrama matemático quando a cidade foi capturada. Um soldado romano ordenou-lhe que viesse ao encontro de Marcelo, mas ele recusou, dizendo que precisava terminar de trabalhar no problema. O soldado ficou furioso com isso e matou Arquimedes com sua espada. Outra história mostra Arquimedes carregando instrumentos matemáticos antes de ser morto porque um soldado pensou que eles eram itens valiosos. Marcelo teria ficado furioso com a morte de Arquimedes, por considerá-lo um recurso científico valioso (ele chamou Arquimedes de "um Briareus geométrico") e ordenou que ele não fosse ferido. [33] [34]

As últimas palavras atribuídas a Arquimedes são "Não perturbe meus círculos" (latim, "Noli turbare circulos meos"Katharevousa grego," μὴ μου τοὺς κύκλους τάραττε "), uma referência aos círculos no desenho matemático que ele supostamente estava estudando quando perturbado pelo soldado romano. Não há evidência confiável de que Arquimedes tenha pronunciado essas palavras e elas não aparecem em o relato fornecido por Plutarco. Uma citação semelhante é encontrada na obra de Valerius Maximus (fl. 30 DC), que escreveu em Ações e provérbios memoráveis ". sed protecto manibus puluere 'noli' inquit, 'obsecro, istum disturbare'"(". mas protegendo o pó com as mãos, disse 'eu imploro, não perturbe isso' "). [27]

Princípio de Arquimedes

A anedota mais conhecida sobre Arquimedes conta como ele inventou um método para determinar o volume de um objeto de forma irregular. De acordo com Vitrúvio, uma coroa votiva para um templo foi feita para o rei Hiero II de Siracusa, que havia fornecido o ouro puro para ser usado Arquimedes foi solicitado a determinar se alguma prata havia sido substituída pelo ourives desonesto. [35] Arquimedes teve que resolver o problema sem danificar a coroa, então ele não pôde derretê-la em um corpo de forma regular para calcular sua densidade.

No relato de Vitrúvio, Arquimedes notou enquanto tomava banho que o nível da água na banheira subia conforme ele entrava, e percebeu que esse efeito poderia ser usado para determinar o volume da coroa. Para fins práticos, a água é incompressível, [36] então a coroa submersa deslocaria uma quantidade de água igual ao seu próprio volume. Dividindo a massa da coroa pelo volume de água deslocado, a densidade da coroa pode ser obtida. Essa densidade seria menor do que a do ouro se metais mais baratos e menos densos fossem adicionados. Arquimedes saiu então nu para as ruas, tão empolgado com a descoberta que se esquecera de se vestir, gritando "Eureca!" (Grego: "εὕρηκα, heúrēka!, aceso. 'Eu encontrei]!'). [35] O teste na coroa foi conduzido com sucesso, provando que a prata realmente havia sido misturada. [37]

A história da coroa de ouro não aparece em nenhuma parte das obras conhecidas de Arquimedes. A praticidade do método que descreve foi questionada devido à extrema precisão que seria necessária ao medir o deslocamento de água. [38] Arquimedes pode ter, em vez disso, buscado uma solução que aplicasse o princípio conhecido na hidrostática como princípio de Arquimedes, que ele descreve em seu tratado Em corpos flutuantes. Este princípio afirma que um corpo imerso em um fluido experimenta uma força de empuxo igual ao peso do fluido que ele desloca. [39] Usando este princípio, teria sido possível comparar a densidade da coroa com a do ouro puro equilibrando a coroa em uma balança com uma amostra de referência de ouro puro do mesmo peso e, em seguida, mergulhando o aparelho em água. A diferença na densidade entre as duas amostras faria com que a escala se inclinasse de acordo. [40] Galileo Galilei, que em 1586 inventou uma balança hidrostática para pesar metais no ar e na água inspirada na obra de Arquimedes, considerou "provável que este método seja o mesmo que Arquimedes seguiu, pois, além de muito preciso, é com base em demonstrações encontradas pelo próprio Arquimedes. " [41] [42]

Influência

Em um texto do século 12 intitulado Clavícula Mappae há instruções de como realizar as pesagens na água para calcular a porcentagem de prata utilizada e solucionar o problema. [43] [44] O poema latino Carmen de ponderibus et mensuris do século 4 ou 5 descreve o uso de uma balança hidrostática para resolver o problema da coroa, e atribui o método a Arquimedes. [43]

Parafuso de Arquimedes

Uma grande parte do trabalho de Arquimedes em engenharia provavelmente surgiu do atendimento às necessidades de sua cidade natal, Siracusa. O escritor grego Ateneu de Naucratis descreveu como o rei Hiero II encarregou Arquimedes de projetar um enorme navio, o Siracusia, que poderia ser usado para viagens de luxo, transporte de suprimentos e como um navio de guerra naval. o Siracusia é dito ter sido o maior navio construído na antiguidade clássica. [45] De acordo com Ateneu, era capaz de transportar 600 pessoas e incluía decorações de jardim, um ginásio e um templo dedicado à deusa Afrodite entre suas instalações. Como um navio desse tamanho vazaria uma quantidade considerável de água pelo casco, o parafuso de Arquimedes foi desenvolvido supostamente para remover a água do porão. A máquina de Arquimedes era um dispositivo com uma lâmina giratória em forma de parafuso dentro de um cilindro. Ele era girado à mão e também podia ser usado para transferir água de um corpo d'água baixo para canais de irrigação. O parafuso de Arquimedes ainda é usado hoje para bombear líquidos e sólidos granulados, como carvão e grãos. O parafuso de Arquimedes descrito na época romana por Vitrúvio pode ter sido um aprimoramento de uma bomba de parafuso usada para irrigar os Jardins Suspensos da Babilônia. [46] [47] O primeiro navio a vapor do mundo com uma hélice helicoidal foi o SS Arquimedes, que foi lançado em 1839 e batizado em homenagem a Arquimedes e seu trabalho no parafuso. [48]

Garra de Arquimedes

A Garra de Arquimedes é uma arma que ele teria projetado para defender a cidade de Siracusa. Também conhecido como "o sacudidor do navio", a garra consistia em um braço semelhante a um guindaste, no qual um grande gancho de metal estava suspenso. Quando a garra era largada em um navio de ataque, o braço balançava para cima, levantando o navio da água e possivelmente afundando-o. Houve experimentos modernos para testar a viabilidade da garra e, em 2005, um documentário de televisão intitulado Superarmas do mundo antigo construiu uma versão da garra e concluiu que era um dispositivo funcional. [49] [50]

Raio de calor

Arquimedes pode ter usado espelhos atuando coletivamente como um refletor parabólico para queimar navios que atacavam Siracusa. O autor do século II DC, Luciano, escreveu que durante o cerco de Siracusa (c. 214–212 aC), Arquimedes destruiu navios inimigos com fogo. Séculos depois, Antêmio de Tralles menciona os óculos de fogo como a arma de Arquimedes. [51] O dispositivo, às vezes chamado de "raio de calor de Arquimedes", foi usado para focar a luz do sol em navios que se aproximavam, fazendo com que pegassem fogo. Na era moderna, dispositivos semelhantes foram construídos e podem ser chamados de heliostático ou forno solar. [52]

Essa suposta arma tem sido objeto de debate contínuo sobre sua credibilidade desde a Renascença. René Descartes rejeitou-o como falso, enquanto os pesquisadores modernos tentaram recriar o efeito usando apenas os meios que estariam disponíveis para Arquimedes. [53] Foi sugerido que uma grande variedade de escudos de bronze ou cobre altamente polidos atuando como espelhos poderiam ter sido empregados para focar a luz do sol em um navio.

Testes modernos

Um teste do raio de calor de Arquimedes foi realizado em 1973 pelo cientista grego Ioannis Sakkas. O experimento ocorreu na base naval de Skaramagas, fora de Atenas. Nesta ocasião, foram usados ​​70 espelhos, cada um com um revestimento de cobre e um tamanho de cerca de 5 por 3 pés (1,52 m × 0,91 m). Os espelhos foram apontados para uma maquete de madeira compensada de um navio de guerra romano a uma distância de cerca de 160 pés (49 m). Quando os espelhos foram focalizados com precisão, a nave explodiu em chamas em poucos segundos. O navio de madeira compensada tinha uma camada de tinta de alcatrão, que pode ter auxiliado na combustão. [54] Uma camada de alcatrão teria sido comum em navios da era clássica. [b]

Em outubro de 2005, um grupo de estudantes do Instituto de Tecnologia de Massachusetts realizou um experimento com 127 ladrilhos de espelho de um pé (30 cm) quadrado, focado em um modelo de navio de madeira a um alcance de cerca de 100 pés (30 m). As chamas irromperam em um pedaço da nave, mas somente depois que o céu estava sem nuvens e a nave permaneceu parada por cerca de dez minutos. Concluiu-se que o dispositivo era uma arma viável nessas condições. O grupo do MIT repetiu a experiência para o programa de televisão Caçadores de Mitos, usando um barco de pesca de madeira em San Francisco como alvo. Novamente ocorreu alguma carbonização, junto com uma pequena quantidade de chamas. Para pegar fogo, a madeira precisa atingir sua temperatura de autoignição, que é em torno de 300 ° C (572 ° F). [55] [56]

Quando Caçadores de Mitos transmitido o resultado do experimento de São Francisco em janeiro de 2006, a reclamação foi colocada na categoria de "detonada" (ou seja, falhou) devido ao tempo e às condições climáticas ideais necessárias para que a combustão ocorresse. Também foi apontado que, como Siracusa fica de frente para o mar em direção ao leste, a frota romana teria que atacar durante a manhã para obter a melhor iluminação pelos espelhos. Caçadores de Mitos também apontou que o armamento convencional, como flechas em chamas ou parafusos de uma catapulta, teria sido uma maneira muito mais fácil de colocar fogo em um navio em curtas distâncias. [57]

Em dezembro de 2010, Caçadores de Mitos novamente olhou para a história do raio de calor em uma edição especial intitulada "Desafio do Presidente". Vários experimentos foram realizados, incluindo um teste em grande escala com 500 alunos apontando espelhos para uma maquete de um veleiro romano a 120 m de distância. Em todos os experimentos, a vela falhou em atingir os 210 ° C (410 ° F) necessários para pegar fogo, e o veredicto foi novamente "estourado". O programa concluiu que um efeito mais provável dos espelhos seria cegar, deslumbrar ou distrair a tripulação do navio. [58]

Alavanca

Embora Arquimedes não tenha inventado a alavanca, ele deu uma explicação do princípio envolvido em seu trabalho No Equilíbrio de Planos. [59] Descrições anteriores da alavanca são encontradas na escola peripatética dos seguidores de Aristóteles, e às vezes são atribuídas a Arquitas. [60] [61] According to Pappus of Alexandria, Archimedes' work on levers caused him to remark: "Give me a place to stand on, and I will move the Earth" (Greek: δῶς μοι πᾶ στῶ καὶ τὰν γᾶν κινάσω ). [62] Plutarch describes how Archimedes designed block-and-tackle pulley systems, allowing sailors to use the principle of leverage to lift objects that would otherwise have been too heavy to move. [63] Archimedes has also been credited with improving the power and accuracy of the catapult, and with inventing the odometer during the First Punic War. The odometer was described as a cart with a gear mechanism that dropped a ball into a container after each mile traveled. [64]

Astronomical instruments

Archimedes discusses astronomical measurements of the Earth, Sun, and Moon, as well as Aristarchus' heliocentric model of the universe, in the Sand-Reckoner. Despite a lack of trigonometry and a table of chords, Archimedes describes the procedure and instrument used to make observations (a straight rod with pegs or grooves), [65] [66] applies correction factors to these measurements, and finally gives the result in the form of upper and lower bounds to account for observational error. [25] Ptolemy, quoting Hipparchus, also references Archimedes's solstice observations in the Almagest. This would make Archimedes the first known Greek to have recorded multiple solstice dates and times in successive years. [26]

Cicero (106–43 BC) mentions Archimedes briefly in his dialogue, De re publica, which portrays a fictional conversation taking place in 129 BC. After the capture of Syracuse c. 212 BC, General Marcus Claudius Marcellus is said to have taken back to Rome two mechanisms, constructed by Archimedes and used as aids in astronomy, which showed the motion of the Sun, Moon and five planets. Cicero mentions similar mechanisms designed by Thales of Miletus and Eudoxus of Cnidus. The dialogue says that Marcellus kept one of the devices as his only personal loot from Syracuse, and donated the other to the Temple of Virtue in Rome. Marcellus' mechanism was demonstrated, according to Cicero, by Gaius Sulpicius Gallus to Lucius Furius Philus, who described it thus: [67] [68]

Hanc sphaeram Gallus cum moveret, fiebat ut soli luna totidem conversionibus in aere illo quot diebus in ipso caelo succederet, ex quo et in caelo sphaera solis fieret eadem illa defectio, et incideret luna tum in eam metam quae esset umbra terrae, cum sol e regione.

When Gallus moved the globe, it happened that the Moon followed the Sun by as many turns on that bronze contrivance as in the sky itself, from which also in the sky the Sun's globe became to have that same eclipse, and the Moon came then to that position which was its shadow on the Earth, when the Sun was in line.

This is a description of a planetarium or orrery. Pappus of Alexandria stated that Archimedes had written a manuscript (now lost) on the construction of these mechanisms entitled On Sphere-Making. [31] [69] Modern research in this area has been focused on the Antikythera mechanism, another device built c. 100 BC that was probably designed for the same purpose. [70] Constructing mechanisms of this kind would have required a sophisticated knowledge of differential gearing. [71] This was once thought to have been beyond the range of the technology available in ancient times, but the discovery of the Antikythera mechanism in 1902 has confirmed that devices of this kind were known to the ancient Greeks. [72] [73]

While he is often regarded as a designer of mechanical devices, Archimedes also made contributions to the field of mathematics. Plutarch wrote that Archimedes "placed his whole affection and ambition in those purer speculations where there can be no reference to the vulgar needs of life", [33] though some scholars believe this may be a mischaracterization. [74] [75] [76]

Method of exhaustion

Archimedes was able to use indivisibles (an early form of infinitesimals) in a way that is similar to modern integral calculus. [14] Through proof by contradiction (reductio ad absurdum), he could give answers to problems to an arbitrary degree of accuracy, while specifying the limits within which the answer lay. This technique is known as the method of exhaustion, and he employed it to approximate the areas of figures and the value of π.

Archimedean property

He also proved that the area of a circle was equal to π multiplied by the square of the radius of the circle ( π r 2 < extstyle pi r^<2>> ). No On the Sphere and Cylinder, Archimedes postulates that any magnitude when added to itself enough times will exceed any given magnitude. Today this is known as the Archimedean property of real numbers. [78]


Improved Artillery

As well as these two fantastical weapons, Archimedes was responsible for enhancing and improving the city’s artillery defences. The Romans were famed military engineers but even they were amazed by the number of rocks and arrows fired at them by the defenders.

Roman accounts state that the largest of these siege engines were capable of launching rocks as large as 318kg (700 pounds) in weight. Marcellus also reported another device that made it appear as if the city wall itself was firing out arrows and stones at the attackers. It is believed these were scorpions, a small version of ballistae that could fire through a narrow hole in the wall.


Archimedes’ Syracusia Ship & Noah’s Ark

Athenaeus (c. late 100’s into 200’s AD) was a very learned Greek writer and rhetorician. Seu Deipnosophistae (Philosophers at Dinner) is a fascinating ancient survival containing the conversations of a group of Greek literate people invited to a banquet. They talk of culinary things and other historical and literary stories about outstanding people and events still living or who had lived centuries before their first century AD Greek banquet.One such topic was a ship called the Syracusia built c. 240 BC and designed by the famed Archimedes for King Hieron of Syracuse (died c. 215 BC). Archimedes (died c. 212 BC) was very famous in his time and, hands down, the greatest “Renaissance” man who ever lived.

CLIQUE AQUI for article on the Archimedes’ Antikythera Mechanism

Athenaeus states he got all the information about this legendary ship from the writings of Moschion aka Machon: “Moschion writes as follows.” Deipnosophistae 5.3. Nothing by Moschion has survived the tramp of history. But it is, nevertheless considered to be an accurate description through Athenaeus of this most amazing ship in the ancient world. Quase.

Archimedes (left) had boasted to King Heiron that he could move anything, could solve any mechanical problems by principles he had discovered.

The King challenged him to build and to launch into the water the biggest and the best ship ever. After all, Archimedes had stated about the principle and power of the lever: “Give me a place to stand, and I shall move the earth.” (Pappus of Alexandria, 290-350 AD, Synagoge, Book VIII).

The great Greek mathematician and inventor was bathing either in his own bath or in the public baths when he discovered the Principle of Buoyancy (weight of displaced water=weight of object in air=weight of object in water).

According to ancient writers, he climbed out of his bath and ran, buck naked, through the streets of Syracuse yelling “EUREKA! EUREKA!!” “I HAVE FOUND IT! I HAVE FOUND IT!”

A statue of Archimedes in a bathtub demonstrates his aha moment about the principle of the buoyant force. Located at Madatech, Israel’s National Museum of Science, Technology and Space in Haifa. Credit: Andrii Zhezhera/Shutterstock

All of the “quotes” parts in this article will be from Athenaeus’ book Deipnosophistae 5.3.

Slaves and other very able men actually built the Syracusia, but it was “superintended by the mathematician Archimedes….timber was brought from Aetna, enough in quantity for the building of sixty quadriremes.” A quadrireme was c.115 feet long and 30 feet wide. o Syracusia was about c. 361 feet long. The largest merchant ships at that time were c. 150 ft long. Notice in the following the description of efforts to get pitch for insulation and to prevent the hull from “biofouling,” to prevent the attachment of water fouling organisms rather than to remove them. They assembled:

“…hemp from Iberia for the cables, hemp and pitch from the river Rhone and all needful from many places…got together shipwrights and all other kinds of artisans…One half, then, of the entire ship he finished in six months…as each part of the ship was completed it was overlaid with tiling made of lead….This part of the ship, then, was ordered to be launched in the sea, that it might receive the finishing touches there. But after considerable discussion in regard to the method of pulling it into the water, Archimedes the mechanician alone was able to launch it with the help of a few persons. For by the construction of a windlass he was able to launch a ship of so great proportions in the water. Archimedes was the first to invent the construction of the windlass. The remaining parts of the ship were completed in another period of six months.” Archimedes’ windlass is still used today (below):

Windlass—“a type of winch used especially on ships to hoist anchors and haul on mooring lines and, especially formerly, to lower buckets into and hoist them up from wells.” Archimedes used his principle to launch the Syracusia from land into the sea.

o Syracusisa was three decks high. ”Couch” was one of the length measures used (3 people on a standard Greco-Roman couch) in ancient times as one sees in the text. Now begins the description of what sounds like a modern first-class cruise ship:

“Now the ship was constructed to hold twenty banks of rowers, with three gangways. the lowest gangway which it contained led to cargo…the second deck was designed for the use of those (men and women passengers) who wished to enter the cabins after this came the third and last, which was for men posted under arms. Belonging to the second gangway were cabins for men ranged on each side of the ship, large enough for four couches (12 people), and numbering thirty. The officers’ cabin could hold fifteen couches (45 people) and contained three apartments of the size of three couches (9 people) that toward the stern was the cooks’ galley. All these rooms had a tessellated floor (mosaics) made of a variety of stones, in the pattern of which was wonderfully wrought the entire story of the Ilíada.

Floor mosaic of “The first bath of Achilles” in the House of Theseus (100’s AD) in Paphos, Cyprus

The astonishing floor mosaics with scenes from Homer’s Ilíada were in all the rooms reserved for passengers on the second floor deck of the Syracusia. Those mosaics are one of the first mentions in literature of an entire floor mosaic. It took 300 skilled artists one whole year to execute them.

Athenaeus continues: “On the level of the (3rd story) there were a gymnasium and promenades built on a scale proportionate to the size of the ship in these were garden-beds of every sort, luxuriant with plants and watered by lead tiles hidden from sight then there were bowers of white ivy and grape-vines, the roots of which got their nourishment in casks filled with earth, and receiving the same irrigation as the garden-beds.”

In 2009, Ambius was commissioned to create the world’s first “garden at sea” (below) aboard the world’s largest ship, Royal Caribbean’s Oasis of the Seas. But we know from the above text the 2009 Ambius creation of “a Garden on the Sea” was NOT the world’s first ship with a “Garden at Sea.”

“….Built next to these was a shrine to Aphrodite large enough to contain three couches , with a floor (mosaic) made of agate and other stones, the most beautiful kinds found in the island it had walls and ceiling of Cyprus-wood, and doors of ivory and fragrant cedar it was also most lavishly furnished with paintings and statues and drinking-vessels of every shape.

Adjoining the Aphrodite room was a library large enough for five couches (c.15 people), the walls and doors of which were made of boxwood it contained a collection of books, and on the ceiling was a concave dial made in imitation of the sun-dial on Achradina (a section in Syracuse).”

Syracusia’s Library was perhaps akin to this library on the modern cruise ship SeaDream

“….There was also a bathroom, of three-couch size, with three bronze tubs and a wash-stand of variegated Tauromenian marble, having a capacity of fifty gallons. (Our modern tubs hold c. 70 gallons of water.)…There were ten stalls for horses on each side of the ship and next them was the storage-place for the horses’ food, and the belongings of the riders and their slaves….There was also a water-tank at the bow, which was kept covered and had a capacity of twenty thousand gallons it was constructed of planks, caulked with pitch and covered with tarpaulins. By its side was built a fish-tank enclosed with lead and planks this was filled with sea-water, and many live fish were kept in it.….Outside the interior, a row of colossi, nine feet high, ran round the ship these supported the upper weight and the triglyph, all standing at proper intervals apart. And the whole ship was adorned with appropriate paintings.

There were also eight turrets on it (see below), of a size proportional to the weight of the ship….two cranes were made fast, and over them portholes were built, through which stones could be hurled at an enemy sailing underneath. Upon each of the turrets were mounted four sturdy men in full armor and two archers. The whole interior of the turrets was full of Saracen (handbows) and missiles.”Athenaeus: “A wall with battlements and decks athwart the ship was built on supports on this stood a stone-hurler, which could shoot by its own power a stone weighing one hundred and eighty pounds or a javelin eighteen feet long. This engine was constructed by Archimedes. Either one of these missiles could be hurled six hundred feet….There were four anchors of wood, eight of iron….The bilge-water, even when it became very deep, could easily be pumped out by one man with the aid of the screw, an invention of Archimedes.”

The Archimedes Screw (below), as it is called, is a machine for raising water or removing water from the hold of a large ship. Perhaps this previous sentence from Athenaeus’ book is when Archimedes first invented and used that screw?

This almost improbable ship for its time in ancient history could carry c. 1,940 passengers in addition to the 20 horses in addition to 200 soldiers and catapults in addition to the hardly believable amount of cargo it was carrying to Alexandria, Egypt in its hold: “On board were loaded:

  • 90,000 bushels of grain
  • 10,000 jars (amphorae) Sicilian salt-fish
  • 600 tons of wool
  • and other front amounting to 600 tons.”

o Syracusia sailed from Syracuse to Alexandria, Egypt where it was presented as a gift to the Ptolemaic Pharaoh and named the Alexandria.What must the royalty and wealthy who sailed on the Syracusia to Egypt have thought? Imagine they were as stunned by that ship as they were stunned by Egypt’s pyramids and Sphinx who were constructed several thousand years before Archimedes’ ship was even conceived.

Thousands of years previous to the Syracusia another 3-story ship was built—Noah’s Ark:

  • c. 450-500 ft. long
  • c. 75 ft. wide
  • c. 45 ft high
  • Cargo capacity c. 24,000 tons

Watch the Noah’s Ark video at the end of this article and come to your own conclusion as to which was the most amazing ship ever built in Antiquity—Syracusia ou o Ark.—Sandra Sweeny Silver


History Of Archimedes

Archimedes was born in Syracuse, and he was educated in Alexandria. He studied under the famous mathematician called Euclid. Archimedes is best known for the term eureka because he screamed eureka when he found the secret behind the relationship between pressure and mass. Eureka in Greek language means I found it.

A famous story suggests that the King Hieron of Syracuse had a deep suspicion that the crown he had ordered for himself from a goldsmith was not made out of pure gold. He then asked Archimedes to find out a way where he can measure the true value of the crown. Archimedes thought about it for a long time, but he did not find any solution. One day when he stepped into the bath he saw the water overflowing as he stepped in. He suddenly got the idea that by measuring the water that falls over when it is immersed in water, one can measure the weight of the object. So, he screamed eureka and started running on the streets of Syracuse naked. This was the most famous incident in Greece during Archimedes time.

Archimedes made several other inventions after he found out how to measure mass of a substance. He discovered how to measure surface and volume, and also how to decide what pi is. He also defined what the lever is, and how it works. In Egypt, he invented the hydraulic screw which brought the water from a lower to a higher level. After the Romans conquered Sicily, he brought several inventions like the catapult, and also a device that used mirrors to focus the sunlight and make fire.

Archimedes was killed in 212 BC during the sack of Syracuse by a Roman soldier. It is believed that he was 75 years old at that time.

Archimedes died in Syracuse in the 212 B.C. He was 75 years old at that time. Archimedes was killed by a Roman soldier during the siege of Syracuse. He is considered as one of the greatest scientists in the world who had discovered some of the greatest things which are still beneficial to mankind. Archimedes is best known for his mathematical contributions, for inventing the famous Archimedes screw, the magnifying glass and also the catapult the concepts of which is still used in modern warfare. Mais..


Guide of Syracuse, Italy

Syracuse was founded by Greek colonies in 734 B.C. The city grew at a rapid rate, giving life to a series of internal conflicts and creating the ideal atmosphere for tyranny.

Em 485 a.C. Hieron, the first tyrant of Syracuse came to power. Through his policy of conquests and victories, the importance of Siracusa grew, making the city strong and famous as a ruling power. In spite of these conquests, however, the Syracusan people rebelled against tyranny and drove out his successor, the tyrant Gerone, and then set up a democracy (466 B.C.).

After fighting and beating the Athens fleet (413 B.C.), Siracusa then had to defend itself against the expansionist ambitions of another city, the powerful Carthage. The city placed itself under the protection of the tyrant Dionysius in order to survive and he then began a plan to fortify the city, which was completed by his successors.

Under the reign of Hieron II (269-215 B.C.) Syracuse enjoyed a period of peace and splendor, that was the last before the city lost its independence and liberty after it was conquered by the Roman Empire. Siracusa fell under Roman rule in 212 B.C., in spite of the strong contribution made to their battles by the war inventions created by the famous Archimedes. This was the beginning of the city&rsquos decline.

When the Roman Empire fell in 476 A.D., the city was at the mercy of other populations: in 493 was sacked by the Goths and then in 535 A.D. it was conquered by Belisarius and annexed to the Byzantine Empire.

In 878 the Arabs took over a large part of Eastern Sicily including Syracuse, and the city stayed in their hands for about 2 centuries.

The Byzantines took over from the Arabs for a brief period (1038) but they were soon replaced by the Normans (1081), who managed to hold onto power for more than a century.

In 1209 the Swabians ruled by Frederick II took over the city. After the Swabians it was the turn of the Spanish who occupied Syracuse in the 14th century and built several fortresses and defense walls around the city.

A tremendous earthquake shook the East of Sicily in 1693, including Syracuse and the other cities in the Val di Noto area. The city was completely rebuilt in the early decades of the eighteenth century and thus became one of the best examples of the Sicilian Baroque style together with the nearby Noto.

Between 1800 and 1900, Syracuse enjoyed a period of economic, urban and cultural expansion, greatly helped by the fact that it was annexed to the Kingdom of Italy (1870).


Archimedes’ Contribution to Mathematics

On his own, Archimedes continued to study geometry and science and the principles of mechanics and made such major contributions to these disciplines as an understanding of specific gravity, hydrostatics, and buoyancy along with ingenious everyday applications of the use of the lever and the pulley.

He created formulations for such mathematical accomplishments as a formula to measure the area of a circle. This was done using a system he created called using infinitesimals. This is quite similar to modern day integral calculus.

Archimedes also created a formula that enabled him to determine the volume of a solid or the volume of an item of irregular shape. Additionally, he was able to discover the precise value of pi and create a formula for determining the volume of a sphere. His formulas are still in use today.


When Was Archimedes Born ?

Archimedes was born in Syracuse in 290 B.C., and he lived up to 212 B.C. He was 75 years old when he died. In fact, he was murdered by a Roman soldier. Syracuse is today&rsquos Sicily and it was taken over by the Romans from the Greeks.

Archimedes was a renowned mathematician and he helped both the Greeks and the Romans with equal fervent.He studied under a very famous mathematician called Euclid. However, Archimedes ended up being more popular than Euclid because of his principles and inventions. Some of his inventions are used even today under the most modern circumstances, and also in technology. His equations are used for arriving at several conclusions that are considered as important calculations. The Archimedes principle forms the basis of several laws of physics.

He was the one who discovered that there was a relationship between surface and volume in a sphere. He invented a way to measure cylindrical object, and he invented the pi. He defined pi by giving it a value. He invented the hydraulic pump, which brought water from a lower level to a higher level, and he invented the Archimedes screw which was mainly used in boats those days. He gave the world the catapult which is used for modern warfare. The principle of the catapult is used in making several advanced weapons. He also invented the fire glass, which is known as the magnifying glass today. The fire glass channeled the rays of the sun in such a way that it could light a fire.

Archimedes is one of the most popular inventors known to people in the modern world. Everyone has studied the Archimedes principle in their school. He invented so many practical things. The Archimedes screw most probably is the greatest invention that is mentioned frequently. The screw is a common item of use even today. Mais..


Assista o vídeo: Archimedes Genius of Antiquity


Comentários:

  1. Kipp

    Em nosso site, você pode criar seu horóscopo pessoal para um dia específico ou um mês de antecedência. Podemos dizer com precisão quais profissões são adequadas para você e no que você terá sucesso e crescimento na carreira.

  2. Samugis

    Eu acho que você cometeu um erro. Eu posso provar. Escreva para mim em PM, vamos conversar.

  3. Kazrazuru

    Eu versado neste assunto. Pronto para ajudar.

  4. Kajigar

    Você admite o erro.



Escreve uma mensagem