Os Estados Unidos devolvem ao Iraque 60 peças roubadas durante sua ocupação

Os Estados Unidos devolvem ao Iraque 60 peças roubadas durante sua ocupação


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Os furtos de objetos antigos sempre existiram desde que o homem era homem e por isso, perdeu-se a oportunidade de aprender mais sobre certas cidades, regiões ou personagens famosos da história, com objetos roubados do local onde foram e com certeza vendidos em qualquer mercado de antiguidades ou, no caso de objetos de grande valor, nas mãos de colecionadores particulares.

Você não precisa voltar muito no tempo para ver como essas coisas continuam acontecendo. Por exemplo, quando os Estados Unidos ocuparam o Iraque entre 2003 e 2011, um grande número de objetos foram roubados, mas o país da América do Norte compensou porque há poucos dias retornou ao Iraque cerca de sessenta objetos antigos para o Museu Nacional de Bagdá, que foi reaberto no final de fevereiro passado, após ter estado fechado por dois anos.

Este museu lutou para levá-lo a abra novamente, em parte graças ao retorno de um grande número de peças que foram roubadas em diferentes momentos nos últimos anos.

Entre as peças roubadas na época, e atualmente devolvidas, estão pontas de lanças de bronze, pratos de vidro e machados diversos, que foram apreendidos nos Estados Unidos e que eles foram posteriormente exibidos no consulado iraquiano em Washington antes de ser enviado diretamente para Bagdá.

Mas se há uma peça que chama a atenção pelo seu grande valor, não só histórico mas também económico, já que no mercado pode custar cerca de 2 milhões de dólares segundo avaliação de especialistas, é uma grande cabeça de lamassu assírio, um touro com asas e cabeça de homem cujas origens remontam a 700 AC.

Esta cabeça foi roubada do palácio do rei Sargão II em Nínive, no norte do Iraque, onde os jihadistas pertencentes ao grupo do Estado Islâmico destruíram recentemente um grande número de peças de valor inestimável.

O Estado Islâmico atualmente controla vastos territórios do norte do Iraque e da Síria e uma das más notícias que aprendemos há algumas semanas quando eles realizaram o que chamaram de “limpeza cultural“Depois de destruir vestígios da antiga Mesopotâmia, algo que chocou a comunidade internacional, principalmente a ONU, onde além de destruí-los, eles são bem fundamentados, eles suspeitam que alguns foram vendidos no mercado negro.

Depois de estudar História na Universidade e depois de muitos testes anteriores, nasceu Red Historia, um projeto que surgiu como meio de divulgação onde você pode encontrar as notícias mais importantes sobre arqueologia, história e humanidades, bem como artigos de interesse, curiosidades e muito mais. Em suma, um ponto de encontro para todos onde possam compartilhar informações e continuar aprendendo.


Vídeo: CASA PADRÃO MINHA CASA MINHA VIDA AMERICANO OLHA ISSO


Comentários:

  1. Akinomi

    Que palavras ... a frase fenomenal, admirável

  2. Mauzil

    Eu sou muito grato a você. Muito obrigado.

  3. Inaki

    Sim eu te entendo. Há algo nisso e acho que é uma ótima ideia. Concordo com você.

  4. Linddun

    Bravo, frase magnífica e é devidamente

  5. Avi

    Bem ... e esse julgamento é permitido. Embora eu acho que outras opções sejam possíveis, não fique chateado.

  6. Woudman

    And on what we shall stop?



Escreve uma mensagem