Tanque C-109 Consolidado (Liberator)

Tanque C-109 Consolidado (Liberator)


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Tanque C-109 Consolidado (Liberator)

O Consolidated C-109 era um tanque de combustível produzido a partir do B-24 Liberator e usado principalmente na 'lombada' entre a Índia e a China.

A conversão foi projetada pela Consolidated, mas a Ford executou o trabalho propriamente dito. O primeiro exemplo, o XC-109, foi convertido de um B-24E em 1943. Isso foi seguido por 208 aeronaves de produção, baseadas no B-24J / B-24L.

O primeiro estágio na conversão foi retirar todo o peso desnecessário do B-24 básico. Isso incluía torres, armaduras, grilhões de bombas, instrumentos de bombardeio e fiação, piso, estofamento e cortinas. Isso reduziu o peso vazio, sem as adições do C-109, combustível e óleo, para 32.500 libras. Depois que os tanques de combustível e outras mudanças foram feitas, o peso subiu para 35.500 libras sem combustível e óleo.

O C-109 carregava oito tanques de combustível extras.

No.1 era um tanque de 100 galões carregado no nariz, no compartimento do bombardeiro. Ele foi instalado para equilibrar a aeronave, que estava com a cauda pesada quando todos os outros tanques estavam cheios.

No.2 e No.3 eram tanques de 400 galões transportados lado a lado na parte dianteira do compartimento de bombas.

No.4 e No.5 eram tanques de 425 galões transportados lado a lado na parte traseira do compartimento de bombas.

Uma área de carga extra foi instalada acima da parte traseira do compartimento de bombas, atrás da asa. Isso substituiu o convés de comando do B-24 e significou que o equipamento de rádio teve que ser movido para o convés de vôo.

No.6 e No.8 eram tanques de 175 galões transportados lado a lado na parte traseira da área de carga.

O nº 7 era um tanque de 120 galões transportado na parte dianteira da área de carga.
Isso dava uma capacidade teórica total de 2.220 galões de combustível em cima dos tanques de combustível existentes, mas o limite real era de 2.036 galões.

500 libras de lastro tiveram que ser carregadas na cauda quando os tanques de carga estavam vazios.

O C-109 só poderia ser usado como aeronave de transporte, e não para reabastecimento aéreo.

Um sistema de purga de CO2 foi instalado para garantir que os tanques de carga de combustível pudessem ser completamente esvaziados quando não estivessem em uso. Isso foi feito para eliminar o risco de incêndio representado por vapores em um tanque mal esvaziado.

A aeronave teve que ser manuseada com cuidado quando totalmente carregada. Depois de uma série de colisões na decolagem, a carga de combustível era freqüentemente reduzida para 1.200 galões, para evitar novos desastres.

Outro programa viu uma série de B-24Js modificados para o padrão C-109, mas estes mantiveram as armas e a designação B-24

Um total de 208 C-109s foi produzido. A Ford converteu a maior parte deles, 199 aeronaves. Martin converteu mais nove. Estes tinham tanques de combustível flexíveis, um desligamento automático da Unidade de Força Auxiliar e um sistema de combustível diferente.

A maioria dos C-109s foi usada para transportar combustível através da 'saliência' entre a Índia e a China, como parte do vasto esforço para apoiar as operações do B-29 a partir de bases na China. Um pequeno número viu o uso limitado com o IX Troop Transport Command e o ATC na Europa.

Tripulação: 4
Vão: 110 pés
Comprimento: 66 pés 4 pol.
Altura: 18 pés
Peso vazio:
Peso bruto: 65.000 libras
Velocidade de cruzeiro: 300 mph
Armas: nenhuma
Carga útil: 2.036 galões de combustível


Galeria C-109 consolidada


Consolidated C-87 Liberator Express

o Consolidated C-87 Liberator Express era um derivado de transporte do bombardeiro pesado B-24 Liberator construído durante a Segunda Guerra Mundial para as Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos. Um total de 287 C-87s foram construídos ao lado do B-24 na fábrica da Consolidated Aircraft em Fort Worth, Texas. A planta também desenvolveu e entregou um treinador de engenheiros de voo da USAAF designado como o AT-22, um transporte VIP da Marinha dos Estados Unidos designado como o RY, e um transporte VIP da Royal Air Force designado como o Liberator C.IX. O último desenvolvimento foi uma versão de cauda única, contratada pela Marinha, com fuselagem estendida. Construído em San Diego, sua designação USN era RY-3.

C-87 Liberator Express
Função Avião de transporte militar
Fabricante Aeronave consolidada
Introdução 1942
Status Aposentado
Usuários primários Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos
força Aérea Real
Marinha dos Estados Unidos
Número construído 287
Desenvolvido a partir de Liberator B-24 consolidado

Em contraste, o C-109 Liberator era um transporte de combustível convertido dos bombardeiros B-24 existentes. [1]


Banco de dados da Segunda Guerra Mundial


ww2dbase Os bombardeiros pesados ​​B-24 Liberator foram a resposta ao pedido do United States Army Air Corps & # 39 1938 para expansão da produção dos bombardeiros B-17, mas posteriormente evoluiu para um projeto próprio. O contrato foi concedido em março de 1939, e o protótipo levantou vôo antes do final daquele ano. Enquanto mais sete aeronaves de desenvolvimento estavam sendo testadas, os pedidos já estavam chegando das forças aéreas dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França. A maioria dos primeiros bombardeiros B-24 de produção foi para a Força Aérea Real, incluindo os encomendados pela França, mas não foram entregues devido à ocupação alemã. Os britânicos batizaram o design de Liberator, que também foi adotado pela USAAC.

ww2dbase O projeto do B-24 era bastante simples e o consumo de combustível era altamente eficiente, embora o interior estreito devido ao posicionamento dos porta-bombas limitasse o movimento dentro da aeronave, o que levou ao apelido de & # 34 the Flying Coffins & # 34.

ww2dbase Em março de 1941, mais de 200 bombardeiros Liberator estavam em serviço na Grã-Bretanha. Muitos deles serviram como transporte de pessoal no início, mas sua capacidade como caçadores de submarinos eficazes foi rapidamente reconhecida. Versões convertidas para este dever sacrificavam a blindagem e às vezes até torres para os tanques de combustível adicionais que estendiam o alcance. Operando pelos britânicos e canadenses nos dois lados do Oceano Atlântico, os bombardeiros B-24 fizeram contribuições significativas na Batalha do Atlântico. Apelidados de & # 34VLR & # 34 por & # 34Very Long Range & # 34, esses bombardeiros Liberator convertidos estiveram envolvidos em 72 afundamentos de submarinos.

A ww2dbase Consolidated Aircraft estava então fabricando um bombardeiro B-24 por dia, mas não era o suficiente. Em abril de 1941, a Ford Motor Company revelou a maior linha de montagem dos Estados Unidos em Willow Run e começou a produzir bombardeiros B-24, prometendo um aumento dramático no fornecimento para os Aliados britânicos.

ww2dbase No final de 1941, a Consolidated introduziu a nova variante rotulada II, com tanques de combustível autovedantes e torres de canhão motorizadas. Foi nessa época que a USAAC começou a receber esses bombardeiros, primeiro usando-os como meios de transporte, assim como os britânicos faziam. Embora os britânicos já os estivessem usando na Europa e no Oriente Médio, os primeiros bombardeiros American Liberator não entraram em ação até junho de 1942 devido à entrada tardia dos EUA na guerra durante aquela missão, bombardeiros americanos B-24 atacaram os campos de petróleo romenos em Ploieşti, e mais tarde fez uma visita de retorno ao mesmo alvo durante a Operação Tidal Wave em agosto de 1943.

ww2dbase Entre os dois ataques, os números de produção aumentaram dramaticamente com o esforço de produção conjunta da Consolidated Aircraft, Douglas Aircraft Company, North American Aviation e Ford Motor Company. Eles estavam sendo produzidos em massa com tanta eficiência que as tripulações de B-24 estavam sendo enviadas para dormir do lado de fora Instalação de Willow Run em berços, de modo que, assim que um bombardeiro B-24 for concluído, eles possam entrar, orientar-se na nova nave e decolar. Mais variantes também estavam sendo produzidas. Em abril de 1942, o C-87 Liberator Express e as variantes do tanque C-109 do projeto B-24 começaram a produção nas instalações de Fort Worth da Consolidated & # 39s, cujo projeto apresentava um grande porão de carga no lugar do compartimento de bombas e torres de canhão, que era rapidamente reconhecido como um meio de transporte que pode fazer a diferença para ajudar na situação de abastecimento da China. Mais tarde na guerra, uma das variantes do B-24, LB-30, foi fornecida para Winston Churchill como seu transporte pessoal. No verão de 1944, apenas a Consolidated e a Ford continuaram a fabricar esses bombardeiros, reduzindo assim os números de produção, mas também tornou o armazenamento de peças de reposição padrão um pouco mais fácil para os esquadrões de bombardeiros.

ww2dbase Ao final da guerra, uma impressionante 18.482 aeronaves foram construídas, tornando-as as aeronaves Aliadas mais produzidas na guerra. Eles foram usados ​​por todos os serviços aliados em todos os teatros. 2.100 deles serviram com os britânicos, 1.200 com os canadenses, 287 com os australianos, alguns serviram no Mar Mediterrâneo com os sul-africanos, enquanto a grande maioria serviu com as forças americanas.

ww2dbase Fonte: Wikipedia.

Última revisão principal: abril de 2007

Linha do tempo do B-24 Liberator

29 de dezembro de 1939 O protótipo do bombardeiro pesado Consolidated XB-24 fez seu vôo inaugural de Lindbergh Field, San Diego, Califórnia, Estados Unidos.
10 de setembro de 1941 Os primeiros bombardeiros B-24 Liberator estavam a caminho da Grã-Bretanha.
3 de abril de 1942 O pioneiro da aviação, Charles Lindbergh, começou a trabalhar na linha de produção do Ford & # 39s B-24 Liberator em Detroit, Michigan, Estados Unidos, como consultor.
4 de dezembro de 1942 Bombardeiros B-24 da 12ª Força Aérea dos EUA bombardearam Nápoles, Itália - eles foram a primeira aeronave americana a operar contra a Itália. A Igreja de Santa Chiara foi danificada no ataque, danificando grande parte da decoração de interiores feita entre 1742 e 1762.
22 de dezembro de 1942 26 bombardeiros American B-24 Liberator voaram 4.300 milhas para atacar a Ilha Wake.

B-24J

MaquinárioQuatro motores radiais turboalimentados Pratt & amp Whitney R-1830-43 de 14 cilindros com 1.200 cv cada
Armamento10x12,7mm metralhadoras Browning M2, carga de bomba de 1.200 kg para missões de longo alcance, 2.300 kg para longo alcance e 3.600 kg para curto alcance
Equipe técnica11
Período33,50 m
Comprimento20,60 m
Altura5,49 m
Área da asa97,40 m²
Peso, Vazio16.590 kg
Peso, Carregado25.000 kg
Peso, Máximo29.500 kg
Velocidade, Máxima470 km / h
Velocidade, cruzeiro346 km / h
Taxa de escalada5,20 m / s
Teto de serviço8.540 m
Intervalo, normal3.540 km
Alcance, Máximo6.000 km

Você gostou deste artigo ou achou este artigo útil? Em caso afirmativo, considere nos apoiar no Patreon. Mesmo $ 1 por mês já é uma boa escolha! Obrigada.

Compartilhe esse artigo com seus amigos:

Comentários enviados por visitantes

1. donna ashmore diz:
9 de novembro de 2007 21:42:59

foi um dos dez homens raf que procuro

2. Mark diz:
2 de agosto de 2009 06:23:34 PM

Em nenhuma outra referência aos B-24s eu vi esse bombardeiro chamado & # 34caixão voador. & # 34 Isso é um erro e deve ser corrigido.

3. bill blake diz:
28 de maio de 2010 13:53:57

Mark, sendo um veterano do corpo de aviação na 2ª guerra mundial, acredito que o B-26 foi referido como o & # 34caixão voador & # 34.

4. JB diz:
13 de outubro de 2014, 16:14:10

Mark, a página oficial da USAF no B-24 menciona o apelido e o vincula à única saída traseira.

5. Anônimo diz:
26 de outubro de 2014 16:11:19

o que substituiu o b-24 depois que ele foi oficialmente aposentado?

6. JB diz:
5 de novembro de 2014, 14h31h30

Anônimos, o B-17 e o B-24 foram os primeiros verdadeiros bombardeiros estratégicos da Segunda Guerra Mundial. Nesse sentido, você poderia dizer que eles foram & # 34 substituídos & # 34 pelo B-29, mas todos os 3 modelos serviram juntos.
Mais precisamente, o B-24 e seus irmãos foram substituídos por bombardeiros estratégicos do pós-guerra - o B-36 e o ​​B-47 a jato.

7. Bill diz:
16 de abril de 2015 13:36:05

Um dos mais famosos libertadores B-24 da segunda guerra mundial
foi o & # 34Lady Be Good & # 34. Ela fez parte de uma formação de vinte e cinco B-24 para bombardear Nápoles, Itália, em 4 de abril de 1943. Todas as aeronaves, exceto o Lady Be Good, voltaram dessa missão.

Bombardeiro e tripulação relatados como desaparecidos ou ela foi perdida para a ação inimiga? relatórios listam o som de uma aeronave voando sobre sua base em Soluch, na Líbia
foram ouvidos.

MISTÉRIO RESOLVIDO: DEZESSEIS ANOS DEPOIS

9 de novembro de 1958, a Senhora foi encontrada por acidente no deserto a 400 milhas de sua base de guerra
nenhum vestígio da tripulação foi encontrado. O grupo no solo chegou ao local do acidente em março de 1959.
Depois de procurar por restos da tripulação, alguns foram encontrados a 190 milhas do local do acidente, mais cinco restos da tripulação foram encontrados a 80 milhas do acidente e um homem
restos mortais nunca foram encontrados. Restos da tripulação encontrados, foram devolvidos aos Estados Unidos para sepultamento.

Os fãs vão se lembrar do episódio 37, temporada 1: intitulado
& # 34King Nine Will Not Return & # 34 foi ao ar em 1960

Ambos os filmes eram semelhantes em enredos após a descoberta de Lady Be Good.

8. Anônimo diz:
9 de maio de 2015 11:59:13

Eles têm sido chamados de caixões voadores muitas vezes

9. Anônimo diz:
14 de dezembro de 2015 09:39:52

estou procurando por quantos desses aviões foram feitos
tenho uma ideia de como são raros. meu plano é restaurar um e, espero, voá-lo

10. Anônimo diz:
15 de março de 2016 15:24:20

muito obrigado, isso ajudou com a lição de casa.

11. B Bjork diz:
15 de julho de 2017 10:48:54 PM

Tenha uma foto da tripulação em frente ao B-24 com o nariz número 633. Não é possível identificar o número de série - qualquer informação sobre este bombardeiro em particular seria bem-vinda.

12. Anônimo diz:
25 de outubro de 2017 03:11:16 AM

Bjork, quase toda tripulação de B-24 teve sua foto tirada durante o treinamento na frente de um dos navios designados para aquele comando de treinamento. Esses treinadores geralmente tinham um número de três dígitos na fuselagem, que eram os três últimos do número de série. Eu vim com três possibilidades - 42-78633, 44-49633 e amp 44-50633. Me dizer que você não consegue distinguir a série significa que você pode pelo menos vê-la. Ele se parece com algum dos três que listei?

13. Randy Morgan diz:
8 de dezembro de 2017 21:54:39

Procurando informações da tripulação em um B-24H serial # 41-25856 que serviu com o 454º BG, 738º BS

14. Bob Fucinato diz:
23 de dezembro de 2017 07:25:17 PM

Olá - meu pai Gino J. Fucinato fazia parte da Tripulação 726 voando em um B-24 Liberator. Ele estava na 15ª Força Aérea. Sei que ele esteve na Tunísia, depois na Itália e, por último, em Ploesti, na Polônia. Procurando qualquer informação sobre ele, sua aeronave e qual grupo de bombardeio ele fazia parte. Muito obrigado.

15. Don B. diz:
7 de janeiro de 2018 08:56:28

Bom dia - é um exagero, mas estou procurando mais informações sobre meu tio-avô SGT Eugene & # 34Butch & # 34 Knox, que era artilheiro de um B24 no Pacífico sul durante a guerra. Eu disse que seu avião (o & # 34Curiosity & # 34?) Caiu na Ilha de Biak em 4 de outubro de 1943. Quais recursos estão disponíveis para conduzir minha pesquisa? Obrigado!

16. Tony Denato diz:
13 de fevereiro de 2018, 04:03:40 PM

Sinto que encontrei amigos. Meu tio que nunca conheci SSGT William Austin Gilmore foi morto na Áustria em 29 de maio de 1944. Estou sempre procurando informações. Eu acredito que o s / n foi. 42-40402. Que bom que encontrei este site

17. Sharon Wager diz:
11 de março de 2018 12:01:49

Meu marido estava na AAF como tailgunner e voou em um libertador B24 chamado Sexy Legs. Ele sobrevoou os campos de petróleo de Polesti, bombardeando-os. Seu nome era Jack H Wager, de Illinois. Qualquer informação / fotos seria apreciada. Obrigado

18. Dave diz:
30 de março de 2018 11h49:27

Existe uma maneira de rastrear a história de uma aeronave pelo número do conto?

19. Bruce Lavoie diz:
31 de julho de 2018 14h56:06

imaginando o que aconteceu ao B-24 chamado & # 34Link ausente & # 34.

20. Anônimo diz:
24 de outubro de 2018 08:31:27

para Sharon Wager: Vá para http://americanairmuseum.com.

21. Brian E Smith diz:
11 de janeiro de 2019 09:16:38

Procurando informações sobre o Short Stuff. O número na fuselagem era 65

22. KH diz:
4 de abril de 2019 23:35:24

Eu descobri muitas fotos de arte do nariz B24 e outras coisas associadas. O sogro estava com a RAAF em Nadzab durante a Segunda Guerra Mundial.

23. Para Dick Blattner diz:
12 de novembro de 2019, 12:57:28

Tenha uma foto de um B24 na Roi Namur. A arte do nariz é algo Bessie.
Tentando descobrir informações sobre aquele avião. O sogro estava na equipe de terra naquela base

24. Todd diz:
2 de março de 2020, 05:53:49 PM

Procurando informações sobre a equipe "pego no rascunho" # 27 dalhark, Tex 1943

25. Anônimo diz:
14 de abril de 2020 14:54:48

Alguém pode me falar sobre uma variante do B-24 em que a torre superior é sólida (não de vidro) e apontada para a frente?

26. Anônimo diz:
14 de abril de 2020 14:55:58

I Tell You Boys It & # 39s Heaven - Eu tenho fotos no álbum de fotos antigo do meu pai. História no avião?

27. Gynnie diz:
14 de outubro de 2020 16:42:37

Meu pai, Ira Barney Jackson estava no Grupo 307 e no Esquadrão 424. Ele era engenheiro de vôo e artilheiro. Eu nasci em 1946 e ela me deu o nome de um avião que sua tripulação usou no Pacífico Sul. Você tem alguma informação sobre um avião chamado Gynnie Anne ou Cynnie Anne? Tenho foto mas não mostra o número do avião. Qualquer informação seria apreciada.

28. ANONYMOUS diz:
5 de janeiro de 2021 13:22:27

Durante a guerra, minha mãe trabalhou na fábrica da Consolidated Aircraft em Ft Worth, Texas. O trabalho dela: usar um & # 34ponto base & # 34 para costurar o tecido da asa na estrutura da asa do B-24 construído pela Consolidated !! Ela era uma coisinha fofa - E uma boa costureira!

Todos os comentários enviados pelos visitantes são opiniões daqueles que os enviaram e não refletem as opiniões do WW2DB.


Tanque C-109 Consolidado (Liberator) - História

Bombardeiro pesado Consolidated B-24 Liberator

O B-24 Liberator foi o segundo bombardeiro pesado da América durante a guerra, entrando em produção em junho de 1941, com mais de 18.000 sendo construídos. Embora fosse mais versátil do que o mais famoso B-17 Flying Fortress (p.W: DF85), não era tão popular. O B-24 poderia voar pai, mais rápido e mais alto que o B-17 e com uma carga maior. No entanto, o B-24 era um avião mais difícil de voar e não era tão resistente a danos de batalha em particular, sua asa menor era relativamente fácil de destruir para um avião de seu tamanho. Apesar disso, o B-24 teve uma taxa de perda ligeiramente menor do que o B-17.

O B-24 foi amplamente utilizado no Pacífico e na Ásia, onde seu longo alcance (para patrulhas sobre o oceano) e alta altitude (para voar o The Hump no teatro China-Burma-Índia) eram ativos. Além de seu papel como um bombardeiro estratégico de longo alcance, também foi usado para funções de reconhecimento fotográfico, reconhecimento marítimo, anti-submarino e transporte. Os britânicos usaram alguns para fornecer agentes SOE e movimentos de resistência na Europa.

O Liberator tinha quatro motores montados em uma asa alta e dois lemes de "porta de celeiro" distintos. Ele também usou trem de pouso triciclo. A torre da barriga era totalmente retrátil, mas afetava a estabilidade negativamente quando estendida. O modelo -J entrou em produção em 1943 e abordou uma vulnerabilidade a ataques frontais, adicionando uma torre de nariz. Cerca de 6.700 foram construídos.

O B-24J tem uma tripulação de dez pessoas: piloto, co-piloto, navegador / operador de rádio, bombardeiro e seis artilheiros (ventral, dorsal, nariz e cauda torres, duas armas de cintura apontadas manualmente). As torres dorsal e ventral eram capazes de rotação completa, as torres do nariz e da cauda eram de rotação parcial. O Liberator usa 161 galões de combustível de aviação por hora em uso rotineiro.

Subconjuntos: Chassi de Bomber pesado com boa aerodinâmica +5, Asas de Bomber Pesadas +4, 4 & yenSmall AFV Engine Pods +3, 2 & yenfull rotação Torres de arma média +1, 2 & yenpartial rotação Torres de arma média +1, três rodas retráteis +2.
Powertrain: Motores a gasolina HP turbo superalimentados de 4 e 895 kW com hélices de 4 e 895 kW e tanques de combustível autovedantes de 2.814 galões [Wings and Body], baterias de 4.000 kw
Ocupação: 10 CS Carga: 20.

armaduras
Todos: 3/5
Piloto / Co-piloto / bombardeiro / navegador: B +0/30
Artilheiros de torre dorsal / ventral: FB 0 / + 30
Artilheiros de nariz / cauda: F 0 / + 30
Artilheiros de cintura: RLB 0 / + 30

Armamento
Aeronaves 2 & yenLong HMG / Browning M-2 [Tur # 1-4: F] (400 rodadas cada) *
Aeronave longa HMG / Browning M-2 [Corpo: R, L] (400 rodadas cada)
Bombas de 10 e 500 libras [Corpo: U]
* ligado ao fogo como par em cada torre

Equipamento
Corpo: Grande receptor e transmissor de rádio, opção de driver de backup, instrumentos de navegação de precisão, IFF, piloto automático, mira de bomba avançada, compartimento de bomba de 8.800 lb. Asas: ponta dura de 4.000 lb cada. Torres: montagens universais

Estatisticas

Tamanho: 64 'x 110' x 18 ' Carga útil: 12 toneladas Lwt: 28 toneladas
Volume: 1,840
Manten.: 20 horas Preço: $101,900

HT: 9.
HP: 1.100 [corpo], 413 [cada asa], 150 [cada pod], 75 [cada torre], 100 [cada roda]

aSpeed: 300
aAccel: 4
a Decel: 10
aMR: 2.5
aSR: 2
Parar: 105

Design Notes
A velocidade do projeto era de 310 mph. A velocidade histórica foi usada, bem como a área real da asa (1.048 pés quadrados). Custo da asa, peso e HP foram divididos por dois. O peso carregado foi reduzido em 5,5%. O custo histórico foi de $ 298.000.

aSR foi reduzido em 1. Deve haver -1 nos testes de Pilotagem para voos de precisão, -3 se a torre da barriga for estendida.

As estatísticas acima pressupõem uma carga de bomba de 5.000 libras e que os tanques das asas auxiliares de 450 galões estão vazios. A carga máxima de bombas foi de 12.800 libras e o peso máximo de decolagem foi de 35,5 toneladas.

Até 800 galões de combustível em tanques auxiliares podem ser colocados no compartimento de bombas, se necessário.

Variantes
O B-24A inicial (1941) foi usado principalmente pelos britânicos, que o apelidaram de Liberator I. Ele montava uma única Browning .303 MG (Aircraft LMG) em cada uma das posições do nariz, dorsal, ventral e duas da cintura (o americano aviões montaram uma única Browning 0,50 cal no nariz, barriga e ambas as posições da cintura). Duas armas calibre .30 também estavam na cauda. A carga máxima de bombas era de 4.000 libras. A velocidade máxima foi de 293 mph. Alguns carregavam um pacote de quatro canhões Hispano de 20 mm (20 mm Long Aircraft AC) sob a fuselagem dianteira para tarefas anti-sub. Apenas 29 foram construídos (20 dos quais foram para a RAF).

O Liberator II (1942) serviu apenas com os britânicos. Ele montava torres dorsais e traseiras, cada uma com quatro Browning .303's, bem como canhões simples no nariz, ventral e ambas as posições da cintura. Os tanques de combustível eram autovedantes. A velocidade máxima foi de 263 mph devido ao aumento do arrasto das torres. Cerca de 140 foram construídos.

Os LB-30 (1942) eram 75 aviões semelhantes ao Liberator II, mas usados ​​pelos EUA (foram requisitados da ordem britânica após o ataque a Pearl Harbor). Eles viram o uso operacional em Java, Panamá e nas Aleutas no início da guerra. Eles diferiam do Liberator II principalmente no armamento, montados em duas Browning .50 na torre superior, duas mãos .50 na cauda e simples .50 nas localizações do nariz, barriga e cintura. quaisquer foram convertidos em transportes desarmados 29 foram eventualmente devolvidos aos britânicos.

O B-24C (1941) adicionou os motores turbo-supercharged do solitário XB-24B e adicionou tanques autovedantes. Torres motorizadas foram instaladas nas posições dorsal e da cauda, ​​cada uma com Browning M-2 de calibre .50. Ele manteve o nariz único, cintura e armas ventrais. Apenas nove foram construídos.

O B-24D (1942) foi a primeira grande produção do Liberator, com 2.738 em construção. O armamento era semelhante ao -C, mas nenhuma pistola ventral ou de cintura foi fornecida inicialmente. O 77º avião acrescentou uma torre ventral com dois canhões que era retrátil e apontado via periscópio. No entanto, o sistema de mira não era confiável e, após 287 aviões, o canhão ventral único foi reinstalado. Eventualmente, uma torre de bola tripulada como a do B-17E foi instalada para defesa ventral. As duas armas de cintura também foram restauradas posteriormente. Durante a execução da produção, duas pistolas de nariz adicionais foram instaladas, embora o bombardeiro só pudesse operar uma de cada vez. A carga de bomba foi aumentada para 8.800 libras internamente com dois hardpoints de asa de 4.000 libras. Introduziu tanques de reserva de 450 galões nas asas, mas eles não podiam ser usados ​​diretamente - o combustível tinha que ser bombeado para um tanque principal da asa.

Os 801 B-24E (1942) eram semelhantes aos do modelo tardio -D, mas a torre ventral foi substituída por uma única metralhadora. Muitos foram contratados como treinadores e apenas um pequeno número participou de combates.

O B-24H (1943) era geralmente semelhante ao -D, exceto que instalou uma torre de nariz motorizada (com duas Browning .50) em um esforço para se defender contra ataques frontais. 3.100 foram construídos. 430 do muito semelhante B-24G foram construídos.

O B-24L (1944) foi uma tentativa de economizar peso (embora o peso do avião tivesse aumentado constantemente, a potência do motor não (. A torre ventral foi substituída por duas armas apontadas manualmente. A torre traseira não tinha energia. Quase 1.700 foram construídos .

Cerca de 2.500 do B-24M (1944) foram construídos, diferindo significativamente do -G apenas por ter uma torre de cauda sem motor. Muito poucos serviços de serra e alguns construídos depois de junho de 1944 tinham apenas um voo - da fábrica ao ferro-velho.

O F-7A e o B foram 178 aeronaves modificadas para transportar seis câmeras de reconhecimento (nariz e compartimento de bombas para o -A, todos no compartimento para o -B). O armamento foi mantido. A maioria foi usada no teatro China-Burma-Índia.

Os PB4Y-1 eram Libertadores "navalizados" usados ​​pela Marinha dos Estados Unidos para tarefas de reconhecimento e anti-submarinos. Eles foram originalmente baseados no -D, mas a produção incluiu todas as principais variantes terrestres.

O C-87 (1942) era uma versão de transporte, transportando 25 homens. Os primeiros 73 foram convertidos de aeronaves existentes e outros 287 foram construídos do zero. O RAF recebeu 24. Os seis C-87A eram transportes "executivos" com apenas 16 assentos.

O C-109 era uma versão de petroleiro construída a partir de 208 fuselagens -J e -L existentes, com o objetivo de abastecer os B-29 sediados na China (necessidade que se evaporou com a captura das Ilhas Marianas). Normalmente estava desarmado e carregava 2.900 galões de combustível adicional em oito tanques da fuselagem.


Tradewinds Sunset

Apesar da necessidade crítica da Marinha de capacidades de tanque, a confiabilidade abismal do motor / hélice levou ao encerramento das operações Tradewind em 16 de abril de 1958, quando o Esquadrão de Transporte Aéreo VR-2 foi desativado. Todas as aeronaves restantes foram oficialmente atingidas em março de 1959. No final daquele ano, uma ordem foi emitida para cortar as aletas verticais da aeronave aterrada e atingida, como se apenas vê-las fosse uma vergonha dolorosa. O R3Y final foi cortado e transportado por ferrovia na primavera de 1960.

Ironicamente e infelizmente, os últimos vestígios do enorme hidroavião de Convair são alguns dos motores Allison T40 em museus. Por 25 meses de serviço, a Marinha gastou mais de US $ 250 milhões em custos de design e produção. Este valor não inclui os custos operacionais e de reposição de uma aeronave que exige muita manutenção.


Tanque C-109 Consolidado (Liberator) - História

Tomado em Força / Carga com a Marinha dos Estados Unidos com BuNo 59932.
Entregue ao NAS Litchfield Park para armazenamento.

Para Hill Aerospace Museum, Roy, Ogden, UT.
Veja o Dossiê de Localização

Para Walter Metals, Compton CA com c / r N9829C.

Certificado de aeronavegabilidade para N9829C (P4Y-2, 59932) emitido.

Para a Escola de Aviação George T. Baker, Aeroporto de Miami FL.
Como fuselagem instrucional.

Registro civil, N9829C, cancelado.

Para Buster Droznenk, Miami FL.

Transportado por via terrestre.
Transportado de caminhão para Big Cyprus, Flórida.

À Força Aérea de Ontem, Santo. Petersburg FL.


Fotógrafo: Tom Tessier
Notas: No Aeroporto de Clearwater, FL

Para Jay Wisler, Kissimmee FL.

Para Tom Reilly Vintage Aircraft, Kissimmee FL.

Reconstrução planejada usando B-24D hulk ex Canadá: mas a exportação de B-24 do Canadá recusou.


Fotógrafo: eLaReF
Notas: Em Kissimmee, Flórida


Fotógrafo: Robert Abbott
Notas: Eu fiz isso no Flying Tigers Warbird Museum em Kissimmee, Flórida. A estrutura não tem marcações. Mais informações encontradas aqui: http://www.joebaugher.com/navy_serials/thirdseries6.html


Tanque C-109 Consolidado (Liberator) - História

Construído como um B-24J-95-CF pela Consolidated at Forth Worth, TX, EUA.

Assumido em Força / Carga com a Força Aérea do Exército dos Estados Unidos com s / n 44-44272.

Assumido em Força / Carga com a Força Aérea Real com s / n KH401 como um Libertador B.VI.

Transferido para o 357 Squadron.
Usado em operações clandestinas no teatro CBI.

Transferido para 232 Squadron.
Usado para tarefas de transporte.

Eliminou a Força / Carga da Força Aérea Real.

Assumido em Força / Carga com a Força Aérea Indiana com s / n HE771.

Transferido para o 6º Esquadrão, Base Aérea de Poona, Índia.
Operado com marcações: TM-P

Eliminou a Força / Carga da Força Aérea Indiana.

À Força Aérea de Ontem / David Tallichet Jr com novo c / r N94459.

Voo de balsa.
Voado para R.A.F. Mildenhall devido a problemas mecânicos.

Voo de balsa.
De Mildenhall a Duxford.

Marcações aplicadas: Delectable Doris, 44-250551
Pintado para representar um B-24J 250551 que voou com o 389º Grupo de Bombardeiros baseado em Hethel.


Fotógrafo: Peter M. Law
Notas: Foto de 1975 em Duxford


Fotógrafo: Desconhecido
Notas: Fotografado em Duxford.

Voo de balsa.
Voado do Reino Unido para os EUA

Usado no filme Young Joe, The Forgotten Kennedy.

Para a Military Aircraft Restoration Corporation, Chino, CA mantendo c / r N94459.

Emprestado à USAFM março AFB, CA.


Fotógrafo: N Roling
Notas: N94459 J3-T (44-44272 KH401, HE771 IAF) B-24J Liberator B.VI 755BS 458 BG mks em março AFB, CA 29-2-86

Certificado de aeronavegabilidade para N94459 (B-24J, 44-44272) emitido.

Emprestado ao Liberal Air Museum, Liberal Municipal Airport, Liberal, KS.
Veja o Dossiê de Localização

Marcações aplicadas: Delectable Doris, RR, 250551


Fotógrafo: Tom Tessier
Notas: No MARC, Aeroporto Chino, Chino, CA.


Fotógrafo: Tom Tessier
Notas: No March Field Air Museum, CA, quando o museu ainda estava na base.


Fotógrafo: Corel Photo CD-ROM 1993 (direitos autorais renunciados pela Corel

Marcações aplicadas: Joe, RR, 250551


Fotógrafo: Glenn Chatfield
Notas: Em frente ao 94th Aero Sqdn Restaurant, Aeroporto de Palwaukee, IL


Fotógrafo: Glenn Chatfield
Notas: Em frente ao 94th Aero Sqdn Restaurant, Aeroporto de Palwaukee, IL

Para Weeks Kermit, Polk City, FL mantendo c / r N94459.


Fotógrafo: Coleção Tom Roberts
Notas: Fotografado no Fantasy of Flight na Flórida.

Baseado em Fantasy of Flight / Kermit A. Weeks, Polk City, FL.
Veja o Dossiê de Localização

Marcações aplicadas: Joe, 250551, RR

Certificado de aeronavegabilidade para NX94459 (B-24J, 44-44272) emitido.


Fotógrafo: Terry Fletcher
Notas: Foto distante da aeronave no hangar de manutenção do Fantasy of Flight Museum, Polk City, Flórida.


Força Aérea Davis-Monthan Boneyard em Tucson: Layout, Operações, Tours e Mapas

O papel da Base Aérea Davis-Monthan no armazenamento de aeronaves militares começou após a Segunda Guerra Mundial e continua até hoje.

Ele evoluiu para & quoto maior cemitério de aeronaves do mundo& quot.

Com a baixa umidade da área na faixa de 10% -20%, chuvas escassas de 11 & quot anualmente, solo alcalino duro e altitude elevada de 2.550 pés permitindo que a aeronave seja preservada naturalmente para canibalização ou possível reutilização, Davis-Monthan é a escolha lógica para uma grande instalação de armazenamento.


Pilhas do Republic F-84F Thunderstreaks na Base Aérea Davis-Monthan aguardando desmantelamento em novembro de 1958

A geologia do deserto permite que as aeronaves sejam movidas sem ter que pavimentar as áreas de armazenamento.

Em maio de 1946, mais de 600 B-29 Superfortresses e 200 C-47 Skytrains foram transferidos para Davis-Monthan.

Além disso, cerca de 30 outras aeronaves foram armazenadas em Davis-Monthan que foram destinadas a museus, incluindo o & quotEnola Gay & quot e o & quotBockscar & quot.

Em 1965, o Departamento de Defesa decidiu fechar suas instalações de armazenamento do Litchfield Park em Phoenix e consolidar o excedente da frota aérea da Marinha em Davis-Monthan.

Junto com esta mudança, o nome do 2704º Grupo de Armazenamento e Disposição da Força Aérea foi alterado para Centro de Armazenamento e Disposição de Aeronaves Militares (MASDC) para melhor refletir sua missão de serviços conjuntos.

No início de 1965, aeronaves de Litchfield Park começaram a se mover de Phoenix para Tucson, principalmente movidas por caminhão, uma alternativa mais barata do que remover aviões de suas coberturas de proteção, pilotá-los e protegê-los novamente.

Em 1985, o nome da instalação foi alterado novamente, de MASDC para o Centro de manutenção e regeneração aeroespacial (AMARC) como mísseis ICBM desatualizados também entraram em armazenamento em Davis-Monthan.

Em maio de 1946, mais de 600 Superfortresses B-29 e 200 C-47 Skytrains foi transferido para Davis-Monthan. Alguns foram preservados e voltaram à ação na Guerra da Coréia, outros foram descartados.

B-29 Superfortress Storage Pós-Segunda Guerra Mundial

Com o fim da Segunda Guerra Mundial e a vitória sobre o Japão e a Alemanha assegurada, os Estados Unidos se viram com um grande estoque de aeronaves, totalizando cerca de 65.000. Estes foram temporariamente armazenados e posteriormente eliminados em 30 aeródromos, com as maiores concentrações em sete depósitos principais, como Kingman Army Airfield no Arizona e Walnut Ridge Army Air Field no Arkansas.

Enquanto alguns aviões foram para uso civil, a maioria foi sucateada e seus componentes de metal derretidos e vendidos. Outros aviões foram mantidos para uso futuro e armazenados em vários locais, incluindo Warner-Robins, Victorville, Pyote Army Air Field no Texas e Davis-Monthan AAF.

Imediatamente após a guerra, o Comando de Serviço Técnico Aéreo de San Antonio do Exército estabeleceu uma instalação de armazenamento principalmente para aeronaves B-29 Superfortress e C-47 Skytrain em Davis-Monthan.

Muitos dos B-29 seriam forçados a voltar ao serviço à medida que a Guerra da Coréia aumentava no início dos anos 1950.

O fim da frota de pacificadores B-36


Fim da linha: vista do solo dos Pacificadores B-36 na Base Aérea Davis-Monthan em 1958

Em fevereiro de 1956, o primeiro Convair B-36 Peacemaker aeronaves chegaram a Davis-Monthan AFB para demolição.

Toda a frota de 384 pacificadores seria finalmente desmantelada, exceto por quatro sobreviventes B-36 restantes salvos para museus aéreos.

Demolição da Frota Stratojet B-47

A última Força Aérea B-47 Stratojet bomber was retired at the end of 1969, and the entire fleet was dismantled at Davis-Monthan except for about 30 Stratojets which were saved for display in air museums.

Aerial view of dozens of Boeing B-47 Stratojets at Davis-Monthan AFB awaiting scrapping in January, 1967

Today: Aerospace Maintenance and Regeneration Group (AMARG) is Home to the World's Largest Airplane Boneyard


Entrance to the Aerospace Maintenance and Regeneration Group (AMARG) at Davis-Monthan Air Force Base (photo by AirplaneBoneyards.com)

Davis-Monthan is today the location of the 309th Aerospace Maintenance and Regeneration Group (AMARG), the sole aircraft boneyard and parts reclamation facility for all excess military and government aircraft.

Aircraft from the Air Force, Navy, Marine Corps, Coast Guard, NASA and other government agencies are processed at AMARG, which employs 550 people, almost all civilians. It is the largest airplane boneyard in the world.

Another role of AMARG is to support the program that converts old fighter jets, such as the F-4 Phantom II and F-16, into aerial target drones.

It also serves as an auxiliary facility of the National Museum of the United States Air Force, and stores tooling for out-of-production military aircraft.

AMARG's typical inventory comprises more than 4,400 aircraft, which makes it the largest aircraft storage and preservation facility in the world.

The Air Force Materiel Command's 309th Aerospace Maintenance and Regeneration Group (AMARG) is organized as follows:

  • 576th Aerospace Maintenance and Regeneration Squadron
  • 577th Commodities Reclamation Squadron
  • 578th Storage and Disposal Squadron
  • 309th Support Squadron

360 Degree Aerial View of Davis-Monthan AMARG courtesy of AerialSphere, LLC, Phoenix, Arizona

XP360 from AerialSphere combines 360-degree aerial imagery with precise location data to provide a new way to visualize the world.

AerialSphere captures its own high-resolution aerial imagery so viewers always have a detailed perspective of the world below.

The company's high-resolution aerial imagery spans 68 of the largest markets in the United States, as shown in this AerialSphere coverage map, with more being added. Each market is flown on a yearly basis, providing the most up-to-date experiences for the imagery needs of their clients. Included below is an aerial view of Davis-Monthan Air Force Base and the AMARG facility provided by AerialSphere.

AMARG Aircraft In-Processing Procedures

When aircraft arrive at the AMARG, they are by the "receiving branch". Each aircraft brings along its entire history of documentation, including maintenance actions over its years of service.


Aerial view of Davis-Monthan Air Force Base and AMARG airplane boneyard in Tucson, Arizona with rows of C-141 Starlifters, B-1B Lancers and F-111 Aardvarks in storage

All aircraft going into storage are processed as follows:

  • All guns, ejection seat charges, and classified hardware are removed, along with clocks and data plates.
  • Each aircraft is washed on arrival . The washing is especially important for aircraft that have served aboard aircraft carriers or in tropical locations where they were subject to the corrosive effects of warm, salty air.
  • The fuel system is protected by draining it, refilling it with lightweight oil, and then draining it again, leaving a protective oil film.
  • The aircraft is sealed from dust, sunlight, and high temperatures. This is done using a variety of materials, ranging from "spraylat" (a white, opaque, high-tech vinyl plastic compound sprayed on the aircraft) to simple garbage bags. With the white coating, interior temperatures will usually remain within 15 degrees of the outside ambient air temperature.
  • The plane is towed by a tug to its designated "storage" position.

Aircraft Inventory Types Used by AMARG


Aerial view of work areas at Davis-Monthan Air Force Base AMARG

AMARG uses the following official "Type" categories for aircraft in storage:

  • Type 1000 - aircraft at AMARG for long-term storage, to be maintained until recalled to active service. These aircraft are "inviolate" - have a high potential to return to flying status and no parts may be removed from them. These aircraft are “represerved” every four years.
  • Type 2000 - aircraft available for parts reclamation, as “aircraft storage bins” for parts, to keep other aircraft flying.
  • Type 3000 - "flying hold" aircraft kept in near flyable condition in short-term, temporary storage waiting for transfer to another unit, sale to another country, or reclassification to the other three types.
  • Type 4000 - aircraft in excess of DoD needs - these have been gutted and every usable part has been reclaimed. They will be sold, broken down into scrap, smelted into ingots, and recycled.

AMARG Layout and Aircraft Storage Areas


F-100 Super Sabre S/N 63880 on display on Celebrity Row at AMARG - Lt. Col. Gene Gaddis still painted on the fuselage (staff photo)

Kolb Road runs north-south through the AMARG area, and is below ground level so viewing aircraft from this part of the road is really not possible from a moving vehicle.

The northern boundary of the area is East Escalante Road and East Irvington Road, while the southern boundary runs along East Valencia Road. See map below.

The area to the west of Kolb Road is used mainly for long-term storage, but also contains the arrivals ramp, maintenance shelters, wash racks, lubrication area, and preservation preparation.

Also on the west side is an area commonly called "Celebrity Row" or "History Row", a major stopping point on the bus tours and includes representative aircraft of the type in storage at the time. The aircraft on display in this area will vary from time to time, and year to year.


Reclaimed parts at Davis-Monthan's AMARG facility

The area to the east is used to store aircraft which are in the process of being reclaimed for parts. In Fiscal Year 2012 AMARG "pulled" more than 10,000 parts, with a value of $472 million. In that year the five fleets calling for the most parts were the Air Force's F-15, B-1B, F-16, C-5, and C-135. The only Navy airplane on the top 10 list, the P-3 Orion, came in sixth.

Orders for spare parts are received by AMARG on a Form 44. It documents the requesting base/unit, its priority, whether it supports a combat mission, classification, special handling requirements, acceptable substitutions, and other information.

Aerial Map of Davis-Monthan Air Force Base, AMARG and the Pima Air & Space Museum


Pima Air & Space Museum, the starting point for AMARG bus tours

Boneyard Tours of the AMARG Facility

AMARG is a controlled-access facility and off-limits to personnel without the proper clearance. The only access to the airplane boneyard for non-cleared individuals is via a bus tour that begins at the nearby Pima Air and Space Museum.

The guided bus tours of AMARG are available Monday thru Friday, excluding Federal holidays.

The tours last about an hour and a half, and are highly recommended. Tour buses enter the Irvington Gate onto the base off Kolb Road, and visit "Celebrity Row," the maintenance areas and long-term storage on the west side of Kolb Road. The tour also visits the parts reclamation area to the east of Kolb Road.

While the tour stops at different locations, no one is allowed off the bus. Photography is permitted from the bus.

Bus tours depart from the Pima Museum entrance.

Due to security requirements on Davis-Monthan, there are baggage checks before boarding the bus, and limitations on what you can carry on the tours.

Advanced reservations are required for this tour. All guests interested in taking this tour must have made a reservation and received a security clearance in advance. The security clearance will be given by Davis-Monthan Air Force Base from information collected at the time of reservation. Reservations must be made 10 business days in advance of the desired tour date, and can be made up to 90 days in advance.

Check with the Museum regarding tour cancellations, tour departure dates/times, ticket prices, reservations, security clearances, and seasonal schedules

at the official website of the Pima Air and Space Museum
or phone the Museum at 520.618.4805

Aircraft Scrapping Companies Located Near Davis-Monthan

Once a military plane is stripped of parts, the remains are put up for bid to private scrap dealers. Many of these are located close by Davis-Monthan, including K-Tech Aviation, Southwest Alloys, Allied Aircraft, Specialized Aircraft, United Aeronautical Corporation, and others.

In earlier years, such companies would receive aircraft mostly intact today, they are shredded/crushed before being provided to the scrapping companies.

"Celebrity Row" at AMARG


United States of America C-135K S/N 91518 at AMARG in Arizona


United Air Lines Boeing 727-100, S/N N7004U, built in 1963, on display at Davis-Monthan AMARG's "Celebrity Row"

B-52 Stratofortress Storage & Scrapping


USAF Boeing B-52 Stratofortresses in storage at Davis-Monthan AFB

Over the years, hundreds of surplus B-52 Stratofortress bombers have been dismantled at the facility, either due to obsolescence or as part of disarmament treaties.

Not all aircraft at the boneyard are scrapped. In the USAF photos below, B-52H Stratofortress "Ghost Rider" S/N 61-1007 is seen being restored back to flight status by AMARG boneyard personnel along with maintenance crews from Barksdale, Minot and Tinker Air Force Bases.

The Superfortress later flew to Barksdale AFB after 7 years of storage on February 17, 2015 at 23,000 feet at a speed of 250 knots with a crew of three.


B-58 Hustlers in storage at AMARG

End of Active Service and Scrapping of the B-58

Only 116 of the B-58 were built, 30 trial aircraft and 86 production B-58A models, all at the Fort Worth Convair plant.

The Air Force began to retire their two B-58 Hustler wings in November of 1969, and the aircraft were moved to Davis-Monthan AFB for storage. The last one was retired from service in 1970.

The surviving fleet of 82 Hustlers remained in storage until 1977 when it was sold to Southwestern Alloys for scrapping.

C-5 Galaxy Storage and Scrapping

C-141 Starlifter Scrapping



C-141 Starlifter cargo aircraft at Davis-Monthan AFB AMARG facility

C-141 Starlifter being recliamed - former AETC aircraft from Altus AFB, S/N 67946

B-1B Lancers

Of the 100 B-1B Lancers that were built for the U.S. Air Force, about 60 remain in active service. Seen in the photo to the right are Lancer bombers in storage at Davis-Monthan's AMARG facility.

F-4 Phantom II Storage at AMARG

RF-4C Phantom tail number 68-0599 after regeneration at Davis-Monthan AMARG (Photo courtesy of the U.S. Air Force)

The final F-4 regenerated from storage at the 309th Aerospace Maintenance and Regeneration Group performed its last flight over Tucson, Arizona on April 17, 2013, before flying to Mojave, California.

Tail number 68-0599, an RF-4C Phantom, arrived at AMARG for storage on January 18, 1989 and had not flown since. The jet's assigned call sign was "Last One."

AMARG's technicians re-installed hundreds of parts and performed thousands of hours of maintenance to return the fighter to flyable status. This aircraft represents the 316th F-4 withdrawn from storage in support of Air Combat Command's full-scale aerial target program. BAE Systems will convert the aircraft into a QRF-4C drone, and then deliver it to the 82nd Aerial Targets Squadron at Tyndall Air Force Base, Florida.

A-10 Warthogs at AMARG

A-10 Thunderbolts parked at the Davis-Monthan Air Force Base AMARG facility

C-130 Hercules Storage

C-135 Storage and Reclamation at AMARG

C-97 and EC-121 Storage


Rows of Boeing C-97 and KC-97 aircraft at Davis-Monthan AFB AMARG, circa early 1970s

Lockheed C-121 and EC-121 Constellations at Davis-Monthan AFB in storage, early 1970s

YouTube Video of Davis-Monthan AFB AMARG boneyard in Tucson, Arizona

Interactive Map of the Davis-Monthan Air Force Base Area in Tucson

More About AMARG

Shown below are several books about AMARG and boneyards available at Amazon that might be of interest to our readers.

Davis-Monthan Field . History During the Early Years

The Tucson Chamber of Commerce established the nation's first municipally-owned airfield in 1919 in the dry, Arizona desert. In 1927 the airfield was moved to a site southeast of town and dedicated as Davis-Monthan Field, then the largest municipal airport in the United States.

The airport was named in honor of Lieutenants Samuel H. Davis and Oscar Monthan, two WWI pilots, and both Tucson natives, who died in military aircraft accidents.

Davis-Monthan Army Air Field During World War II

Davis-Monthan Airport became Tucson Army Air Field in 1940, and was renamed Davis-Monthan Army Air Field on December 3, 1941, just prior to the Japanese attack on Pearl Harbor.

The outbreak of World War II brought major changes to Davis-Monthan, with units of the 1st Bombardment Wing and 41st Bombardment Group (BG) departing for the Pacific theater. In January of 1942 jurisdiction of the field transferred from the 4th Air Force to 2nd Air Force. The following month the 39th BG arrived and began training B-17 Flying Fortress and B-24 Liberator units and crews. By mid-1942 B-24 Liberator training became the sole mission of the 39th BG, with all other flight training phased out. In December of 1944 Davis-Monthan became home to the B-29 Superfortress.

Training at the airfield came to a halt in August 1945, when the Japanese unconditionally surrendered. Davis-Monthan also played a post-war role by housing German POWs from June 1945 to March 1946.

Davis-Monthan AFB's Role as a Key Modern-Day Air Force Base

Davis-Monthan's Post-WWII inactivity quickly ended in March of 1946 when the newly activated Strategic Air Command (SAC) assumed control of the base. Two months later two B-29 Bombardment Groups, the 40th and 444th, arrived and once again the B-29 Superfortress became a key element in base operations .

On January 13, 1948 Davis-Monthan Army Air Field was officially redesignated Davis-Monthan Air Force Base.


Entrance gate to Davis-Monthan Air Force Base, Home of the 36th Air Division, as seen in this historic postcard

The following month on February 20, 1948, the first B-50 Superfortress arrived and was delivered to the 43 BW. On June 18, the 43rd Air Refueling Squadron (ARS) was assigned to the base and had the honor of being one of the first two air refueling squadrons in the U.S. Air Force, flying the KB-29M tanker.

In February of 1953 the 303rd BW received four Lockheed T-33 Shooting Stars training jets. At the same time, construction on a new 11,500 feet runway was completed in preparation for the arrival of the first jet bomber, the B-47 Stratojet.

F-86A Sabre and F-86D Sabre Dog aircraft remained the squadron's primary weapon systems until 1959 when the F-89 Scorpion was added to the arsenal. Another aircraft change occurred in 1960 when the F-101B Voodoo became the units' interceptor.

On October 15, 1959, the Air Force Ballistic Missile Committee approved Davis-Monthan as the first Titan II base, and in the early 1960s the base was selected to become home to an Intercontinental Ballistic Missile (ICBM) wing.

In 1964, the last B-47 departed Davis-Monthan, making way for the arrival of nearly 50 F-4 Phantom II aircraft. A new mission was to train all aircrews for the conversion of 12 tactical wings to the F-4C fighter-bomber jet. The 4453 CCTW trained a majority of F-4 crews for the conflict in Southeast Asia.

On July 1, 1971 the Air Force reactivated the 355th Tactical Fighter Wing (TFW) at Davis-Monthan with the Vought A-7D Corsair II as the primary weapon system . In early 1975, the 355 TFW prepared for conversion to the Fairchild Republic A-10 Thunderbolt II - Warthog.

Today, the host unit at Davis–Monthan remains the 355th Fighter Wing (355 FW) assigned to the Twelfth Air Force, which is headquartered at the base as part of Air Combat Command (ACC). The 355th flies the A-10 Thunderbolt II and associated support aircraft such as the EC-130 Hercules. The staffing at the base includes 6,000 Airmen and 1,700 civilian personnel.

Map of locations of active and post-WWII airplane boneyards and plane storage facilities in the United States

Current AMARG Inventory

Two privately-operated, unofficial websites monitor the inventory at AMARG, using Freedom of Information listings published monthly by the 309th AMARG.


Consolidated C-109 Tanker (Liberator) - History

by Randy Wilson

Copyright 1994 by the Confederate Air Force and Randy Wilson. Todos os direitos reservados.

Originalmente publicado em The Dispatch magazine, Volume 19, Number 4, Winter, 1994 edition. If you are interested in subscribing to The Dispatch please write to The Commemorative Air Force, ATTN: Dispatch Editor, PO Box 62000, Midland, TX 79711-2000 or call (432) 563-1000. Reproduced with permission.

D esigned as a bomber with a longer range and heavier bomb load than the Boeing B-17, the Consolidated B-24 Liberator was one of the principal U.S. heavy bombers of the Second World War.

The prototype XB-24 made its first flight on December 29, 1939, and with the war in Europe a reality, orders were received by Consolidated from the French and British as well as the U.S. Army Air Force. These foreign models had the company designation LB-30, the next number in Consolidated's "Land Bomber" series. Early use of LB-30As by the Royal Air Force resulted in the designation often being explained as euiberator built for the British.

Due to their long range and capacious fuselage, some LB-30s and other early B-24s were converted to high-priority transports and used to ferry pilots and other important passengers and cargo across the Atlantic between the U.S. and Britain.

On January22, 1942, the first mass produced combat model, the B-24D, began deliveries to the USAAF. More than 2,870 were built by five factories in California, Michigan, Oklahoma and Texas. Most B-24Ds had three powered turrets, but still used hand held guns in the nose. Maximum bomb load was 8,000 pounds but 5,000 pounds was a more common load, allowing a range of about 2,300 miles. One hundred seventy-nine B-24Ds equipped the Ninth Air Force groups which attacked Ploesti, Rumania on August 1, 1943.

To meet the need for a four-engine heavy transport, 291 Liberator Express versions were produced as C-87s, with all guns removed and a cargo floor in place of the bomb bay. The C-109 was a flying tanker version, which played an important part in supplying aviation fuel to B-29 bases in the Pacific, later in the war.

The B-24J was the version of the Liberator built in the greatest numbers, with about 6,678 delivered. It differed little from the previous G and H models, with two .50 caliber guns in a powered nose turret. By September 1944, the USAAF had over 6,000 B-24s operational, mostly in the Mediterranean and Pacific theaters.

The final versions of the Liberator to see service, even after the war, were PB4Ys for the U.S. Navy. To increase the Navy Liberators' stability at low altitudes, where most long range patrols were flown, the PB4Y-2 replaced the twin vertical fins and rudders of the B-24 with a much larger, single vertical fin. Non-turbocharged engines were also fitted, due to the low altitudes. PB4Y-2s continued in service into the early 1960s with the USN and other countries' navies.

To e-mail a link to this article, please copy and paste the following URL:
http://rwebs.net/dispatch/output.asp?ArticleID=10

Please note that the members of the Força Aérea Confederada voted in 2001 to change the name of the organization to the Commemorative Air Force and this name change took effect on 1 January, 2002. Articles copyrights should reflect the name change. Articles reproduced on this site are with the permission of the authors and copyright holders.


Aeroplane Monthly traces its lineage back to the weekly The Aeroplane launched in June 1911, and is still providing the best aviation coverage around.

With a focus on iconic military aircraft from the 1930s to the 1960s such as the Spitfire, Hurricane, and Lancaster, Aeroplane magazine also regularly includes fascinating features on historic civil light aircraft and other types that are scarcely covered elsewhere – making it the most balanced historic aviation monthly on the market, and a must-read for all aviation enthusiasts.

Each Aeroplane magazine edition includes:

  • Fascinating articles on historic planes covering great insights, technical details and aircraft development.
  • Interviews with leading figures of the historic aviation scene.
  • Latest historic aviation news.
  • Detailed airshow listings.
  • Q&A where we answer the questions from our readers.
  • And much more…

Subscribe to Aeroplane Magazine

We're offering various ways to subscribe to Aeroplane Monthly. Choose between our print and digital subscriptions, or buy individual issues.


Assista o vídeo: Tonacy statek i tankowiec!!!


Comentários:

  1. Cherokee

    eu não ouvi tal

  2. Yardley

    Esta mensagem é incrível))), eu gosto :)

  3. Togar

    Eu parabenizo, essa ideia notável é necessária apenas pelo caminho



Escreve uma mensagem