USS Roosevelt ‘Gimbal’ UFO: vídeo desclassificado

USS Roosevelt ‘Gimbal’ UFO: vídeo desclassificado


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Vídeo oficial da Marinha dos EUA de um encontro de OVNIs em 2015, feito a bordo de um caça a jato da Marinha do porta-aviões nuclear USS Theodore Roosevelt, na costa leste, perto da costa da Flórida.


& # x27 MELHORES NÓS & # x27 VEZES SEMPRE & # x27

O vídeo de três minutos mostra o objeto cruzando Porto Rico antes de voar de volta e parecer submergir no Oceano Atlântico.

E talvez o mais bizarro seja que em um estágio da filmagem o objeto parece se dividir em dois.

Ele também parece não perturbar a água ao mergulhar e reemergir da superfície - um fenômeno conhecido como viagem & quottrans-medium & quot.

"Este vídeo é a melhor documentação de um objeto aéreo desconhecido e náutico submerso exibindo tecnologia avançada que os autores deste relatório já viram", conclui o relatório.

Na carta ao Rubio e à Warner, a SCU pede a liberação de mais dados dos infames incidentes UAP desclassificados no ano passado pelo Pentágono.

Eles pedem aos dois republicanos que apoiem os esforços para liberar mais imagens do infame vídeo & quotTic Tac & quot de 2004 do USS Nimitz.

E pediram mais informações sobre os vídeos & quotGo Fast & quot e & quotGimbal & quot filmados pelos pilotos do USS Theodore Roosevelt.

Em um comunicado, a SCU disse: & quotA SCU acredita que todos os dados do governo sobre objetos aeroespaciais não identificados devem ser disponibilizados ao público para serem investigados abertamente pela comunidade científica em geral, desde que tais dados não comprometam as fontes ou métodos de dados
coleção.

& quotUma investigação científica completa de tais dados seria capaz de revelar informações valiosas relacionadas à segurança nacional e ao avanço de nossa compreensão da física, engenharia aeroespacial e de nosso mundo. & quot

O Sr. Lace disse ao The US Sun enquanto eles encorajam a divulgação como um processo - eles entendem a necessidade de proteger as fontes e métodos usados ​​para coletar dados em UAPs.

& quotDadas as interpretações variadas do termo, o SCU não tem posição sobre & # x27divulgação & # x27 entendida como um único evento ou sobre as razões pelas quais alguns dados podem ser mantidos em segredo & quot, explicou ele.

Especula-se que os objetos que continuam a aparecer nas filmagens oficiais filmadas por militares dos EUA podem ser drones hipersônicos da China ou da Rússia.


Pentágono lança filmagens de OVNIs e confirma sua veracidade

O primeiro vídeo lançado pelo Departamento de Defesa (DoD) na semana passada é de 2004 e é comumente conhecido como "Incidente de Nimitz". A filmagem foi feita durante um exercício de treinamento no Oceano Pacífico, na costa do sul da Califórnia. Um piloto de caça F / A-18 completando o exercício para a Marinha capturou o incidente. O USS Nimitz, o porta-aviões mais antigo de nosso país, é de onde vem o nome. O vídeo em si, que foi oficialmente desclassificado recentemente, é conhecido como ‘FLIR1’ e mostra a gravação do F / A-18 a partir de seu sistema de mira infravermelho. O objeto, confirmado não ser um "objeto voador não identificado" (OVNI), mas um "fenômeno aéreo não identificado" (UAP) tem forma oblonga e, conforme o piloto da Marinha se aproxima, dispara a velocidades "sem precedentes" quando a filmagem termina .

Os próximos dois vídeos que o Pentágono divulgou ao público são exercícios de treinamento de 2014 e 2015 conduzidos pelo USS Theodore Roosevelt na costa leste. O vídeo intitulado “Gimbal” mostra dois dos pilotos falando animadamente um com o outro - “Olha só, cara!” Eles observam que há uma "frota" de objetos, embora apenas um seja visível na filmagem e também observam que o UAP está "girando". Os dois pilotos da Marinha também podem ser ouvidos se perguntando se a coisa é um drone ou possivelmente outra entidade - mas a conversa é inaudível em algumas partes. O que é perceptível é quando os pilotos comentam sobre o UAP indo contra o vento, que está soprando “120 nós para o oeste”.

Também na costa leste, o último vídeo é conhecido como “Go-Fast” e retrata a aparente velocidade “inacreditável” dos UAPs. O governo admitiu que a velocidade desses objetos voadores está além das capacidades de qualquer drone militar ou governamental conhecido - e esse é o aspecto mais desconcertante dos vídeos desclassificados. Com um pano de fundo oceânico claro fornecendo um quadro de referência para a velocidade da entidade, o terceiro vídeo começa com o zoom do UAP na tela, sobre a água, até que os sistemas de mira da Marinha travem no alvo. “Olha só esse vôo!” ele exclama.

Vários relatórios em torno da história giram em torno de insinuações de que esses avistamentos de UAPs estão aumentando em frequência, mas isso não foi confirmado. Tudo o que o público tem que sair, oficialmente, são os três vídeos aprovados para desclassificação na semana passada, apesar de terem sido lançados para o público em 2017. A desclassificação é importante, porém, porque confirma a veracidade dos vídeos. Não são boatos, mas gravações reais não alteradas do F / A-18 Super Hornets da Marinha dos EUA. Também foi revelado em 2017, quando os vídeos vazaram, que um programa de sombra do pentágono foi conduzido, e secretamente financiado por US $ 22 milhões em “dark money”, para investigar a ameaça dos UAPs. O “Programa de Identificação Avançada de Ameaças da Aviação” existiu entre 2007 e 2012. Se os objetos capturados no filme são de origem extraterrestre, uma supertecnologia de uma potência internacional e algum tipo de fenômeno natural inexplicável, os legisladores estão começando a levar isso a sério. Uma porta-voz do senador da Virgínia Mark Warner disse: “Não podemos pedir aos nossos pilotos que coloquem suas vidas em risco desnecessariamente”.

** Escrito por Benjamin Derge, planejador financeiro. As informações foram obtidas de fontes consideradas confiáveis, mas não garantimos que o material anterior seja exato ou completo. Todas as opiniões são de Benjamin Derge e não necessariamente de RJFS ou Raymond James. Os links são fornecidos apenas para fins informativos. As expressões de opinião são atuais e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. Raymond James não é afiliado e não endossa, autoriza ou patrocina qualquer um dos sites listados ou seus respectivos patrocinadores.


Filmagem da USS Nimitz Tic Tac UFO FLIR de 2004 (FLIR1)


Filmagem em: http://www.extraordinarybeliefs.com/tic-tac-aav (veja também o anexo)

Em primeiro lugar, certifique-se de que está falando sobre a filmagem certa:

Este tópico é sobre as filmagens de Nimitz, a discussão sobre filmagens GIMBAL está em:
https://www.metabunk.org/nyt-gimbal-video-of-u-s-navy-jet-encounter-with-unknown-object.t9333/

NOTA: Enquanto Fravor discute seu relato e lembranças do incidente de Nimitiz, ele não fez o vídeo.

Para mim, essa filmagem de Nimitz parece consistente com um avião distante (& gt50 milhas) voando para longe da câmera. É MUITO semelhante a este exemplo comprovado da mesma coisa:

Discutido aqui: https://www.metabunk.org/explained-chilean-navy-ufo-video-aerodynamic-contrails-flight-ib6830.t8306/

No final do vídeo, ele desliza suavemente para a esquerda, seja fazendo uma curva ou devido ao desvio da trava da câmera. Um salto repentino entre o zoom 1x e 2x torna isso muito mais dramático do que realmente é. Isso é descrito neste breve vídeo:
Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=nIl4peYb59E


Pode ser uma combinação do avião fazendo uma curva e a trava da câmera. Se ele estiver voando quase diretamente para longe da câmera e estiver muito longe (cerca de 50 a 100 milhas), então provavelmente ainda estará se movendo em relação à direção da câmera e, de fato, vemos a direção da câmera no topo a partir de 4 ° R a 8 ° L, ponto em que o rastreamento parece falhar.

Então, eu diria que todo o incidente provavelmente consistiu em retornos de radar duvidosos e um avião distante que não estava no radar.

Anexos

Ufoof Interest

Membro

Olá Mick, há dois dias um comentário na minha página do fb linkou este post por SCU (Scientific Coalition for Ufology):
https://www.facebook.com/explorescu/posts/1722614954714484

Christophe Isbert

Membro

Vou comentar apenas uma coisa por enquanto. A comparação visual que você usou entre a captura de tela EO / IR (black hot) da filmagem da Marinha do Chile (Wescam MX-15) e a captura de tela do pod de mira ATFLIR do Super Hornet não é realmente confiável pela simples razão de que o pod de mira está no modo TV (preto e branco). Em outras palavras, não é um modo EO / IR diferente da captura de tela da Marinha do Chile que você postou.

No entanto, a filmagem do ATFLIR às vezes é em infravermelho, mas em branco quente, você pode alterá-lo para preto quente com Gimp ou similar.

Mick West

Administrador

O vídeo que você está prestes a ver parece ser uma visão FLIR-hud capturada por um dos jatos, que foram enviados para interceptar o objeto desconhecido. Os materiais que nós (eu e um outro membro do ATS que desejamos permanecer anônimo) usamos para esta análise / postagem foram este vídeo, um registro de eventos e uma apresentação em power point, mas as informações incluídas nele ainda não foram resolvidas .Os arquivos que temos podem ser liberados sob demanda.


RECORDAÇÃO DE UM REGISTRO DE EVENTOS DE UM NAVIO DA FROTA DA MARINHA DOS EUA
Este é o vídeo aqui e estes são os eventos que aconteceram.

Em primeiro lugar, o vídeo é semelhante (embora não seja o mesmo que) um vídeo supostamente do HUD (Heads-Up Display) de um caça a jato australiano criado no ano passado por um cineasta chamado Chris Kenworthy. Ele criou esse vídeo como parte de uma série de & quotUFO & quot formando um projeto & quotimmersive artwork & quot financiado pela Australian Film Commission.
.
Em segundo lugar, os membros do ATS devem suspeitar ligeiramente de indivíduos postando vídeos & quotOUFO & quot com uma história um tanto vaga acompanhando um dia após o registro. A falta de qualquer histórico de ATS torna um pouco difícil avaliar sua credibilidade. Torna mais possível (embora é claro que não prova) que você é apenas um embusteiro que publicou um link para um vídeo que você criou.


Em terceiro lugar, e mais importante, o link que você forneceu faz parte do site alemão no link abaixo:
www.vision-unlimited.de.

Como as fotos indicam, esse site está relacionado à produção de filmes

O link para f4.mpg está quebrado, mas ainda existe em archive.org, (junto com alguns vídeos GCI não relacionados muito mais recentes).
https://web.archive.org/web/*/http://www.vision-unlimited.de/extern/*

Esse é um vídeo de melhor qualidade (mesmo tamanho, apenas menos compactação), então estou anexando-o aqui.

Aqui está uma versão codificada em tempo com números de quadro, para uma discussão mais fácil.
Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=tCvlW-HoHog

Anexos

Willie Kay

Membro

Robert Page

Novo membro

Algo sobre esse incidente continua me incomodando. Gostaria de encaminhá-lo para um artigo postado por outro ex-piloto da Marinha e aparente amigo pessoal do Comandante. Dave Fravor. Paco Chierici de fightersweep.com (um blog de aviação militar, não um site de OVNIs, até onde posso ver). Lembre-se de que isso foi postado em 2015, anos antes dessa divulgação recente do Pentágono.
https://fightersweep.com/1460/x-files-edition/

Meu resumo da história supostamente retransmitida a ele por Fravor:

- O Missile Crusier USS Princeton estava rastreando a atividade de & quotAnomalous Aerial Vehicles (AAVs) & quot focalizando em torno de um ponto a cerca de 30 milhas náuticas da península de Baja por "vários dias"

-'Os contatos do radar cairiam acima de 80K para pairar cerca de 50 pés fora da água em questão de segundos 'junto com os padrões de voo inconsistentes com qualquer aeronave conhecida que sempre ouvimos nas histórias de OVNIs

-Princeton aproveita a presença de aeronaves próximas fazendo exercícios fora do porta-aviões USS Nimitz em 14 de novembro de 2004 e vários vetores em direção à posição para confirmar

- Um E-2C recebe uma assinatura de radar fraca, mas aparentemente não é bom o suficiente para passar o alvo aos interceptores, então ele é cancelado

-Um Marine Hornet pilotado por um tenente-coronel Kurth também foi vetorado para a área, não obteve nada no radar, voltou para o Nimitz, mas não antes de ter uma visão de uma seção redonda de água turbulenta cerca de 50-100 metros em diâmetro'

- Nesse ponto, chegam os dois F-18 Super Hornets da Marinha de 2 lugares (FASTEAGLE 1 e FASTEAGLE 2, o ex-pilotado pelo agora famoso Comandante Favor com seu oficial de armas, Tenente Comandante Slaight sentado atrás dele).

-Fravor (e tudo isso é presumivelmente confirmado pelos outros 3 aviadores na área) também vê a perturbação & quotwhitewater & quot na água e inicialmente pensa que pode ter sido um avião que caiu (daí a razão para a vetorização de Princeton e perguntar se ele estava armado - não era como sabemos)

-Então eles vêem um objeto branco, em forma de cápsula, & quotfighter size & quot, pairando ACIMA da perturbação na água, ABAIXO do vôo FASTEAGLE.

-Fravor tenta interceptar o AAV, mas não consegue travá-lo e, de repente, ele se afasta, atrás de seu F-18, e ele perde o contato visual. O Princeton então o informa que agora reapareceu no waypoint da Patrulha Aérea de Combate previamente designado pela FASTEAGLE, a cerca de 60 milhas de distância

-FASTEAGLE se vira e volta para o CAP, perde o contato com o AAV e não percebe mais a perturbação da água. De volta ao Nimitz, eles passam o que viram para os próximos 4 aviadores se preparando para partir, que lançam várias horas depois (desta vez, seus F-18s estavam equipados com FLIR)

-Como sabemos, eles avistaram o AAV 'pairando' abaixo deles no mesmo CAP, filmaram no FLIR (auxiliado por um bloqueio de radar), antes de decolar novamente. O vídeo que & quot apareceu & quot no YT e é referenciado por Chierici em seu artigo de 2015 é o vídeo & quottick-tack & quot mencionado por West ITT - eles parecem ser do mesmo incidente. Não tem diálogo diferente do de 2017. O vídeo mais antigo mostra que o AAV parece acelerar rapidamente para a esquerda da câmera.
Fonte: https://youtu.be/z7xnLZ9FAvU


Tldr:
Vários aviadores (incluindo ambos os voos de F-18s) relataram (de acordo com o Comandante Fravor) ter visto uma aeronave branca, capsular ou cilíndrica não identificada, sem asas ou sistema de propulsão visível, superando facilmente os F-18s. Tudo isso foi nas coordenadas onde o Princeton rastreou esses bogies com seus sistemas de radar mais avançados. Esses relatórios não são consistentes com aviões distantes simplesmente sendo coincidentemente captados pela FLIR pelo segundo vôo dos F-18s. O rápido movimento lateral (em relação ao visor) do objeto também não se ajusta a um plano distante, a menos que este também seja outro artefato de câmera.

A meu ver, há 2 opções:

1) Os vídeos e as declarações de Fravor (e presumivelmente de outros aviadores) são completamente independentes. E se a implicação for que ele está mentindo, e já que está envolvido nisso desde o início, e está claro que ele recebeu permissão para falar com a mídia, teria que ser algum tipo de operação psicológica do governo, muitos anos no fazendo, com um monte de coisas confusas misturadas (como o vídeo original sendo censurado). A motivação não é clara, talvez eles realmente roubaram / redirecionaram 22 milhões de dólares para algum programa de merda e querem justificar isso com isso, mas não vejo como eles acham que poderiam se safar com isso. De qualquer forma, se fosse esse o caso, eles poderiam ter apenas adulterado os vídeos ou feito inteiramente com CGI, então tentar analisá-los em termos de física real pode ser uma perda de tempo.

2) o governo realmente não sabe o que aconteceu, o que significa que realmente há mais nessa história além de confundir aviões distantes com um AAV que provavelmente algumas pessoas espertas teriam descoberto antes de entregá-lo à imprensa e se fazer de idiotas. Feito pelo homem, nosso ou OpFor? Possível conexão com uma nave submersível? Ou alienígenas de verdade? Por que eles iriam a público com isso em qualquer cenário também está além de mim.


Um toque de trigonometria

O efeito de paralaxe também oferece uma explicação mais mundana do vídeo Go Fast, West afirma. Go Fast foi filmado de um jato da Marinha operando na costa da Flórida com o porta-aviões Theodore Roosevelt em 2015. No vídeo, um pequeno objeto indefinido parece estar voando baixo, em alta velocidade acima do oceano.

No entanto, disse West, esta é uma ilusão do vídeo bidimensional, que pode ser desmistificada pela leitura na tela e um pouco de trigonometria.

Assim que a câmera se fixa no objeto, disse West, o vídeo apresenta a ilusão de que a câmera está parada. Este não é o caso, disse West. A verdadeira velocidade do ar do jato é 369 nós. Depois de calcular a altitude da aeronave, o ângulo da câmera e a distância até o alvo, West determinou que o objeto voaria a 13.000 pés acima do oceano - não diretamente acima, como aparece no vídeo.

“Na verdade, não está em qualquer lugar perto do oceano, embora pareça que está deslizando sobre a superfície”, disse West. “Por causa do zoom extremo e porque a câmera está travada neste objeto. o movimento do oceano neste vídeo é exatamente o mesmo que o movimento do próprio avião a jato. Você está vendo algo que na verdade mal se move e todo o movimento aparente é o efeito de paralaxe do jato voando. "

Depois de mais um pouco de matemática, West estimou a velocidade do UAP em cerca de 30 a 40 nós. Como a imagem infravermelha indica que o objeto também está mais frio do que o oceano abaixo dele e está se movendo na velocidade do vento naquela altitude, West disse que provavelmente é um balão meteorológico.


Consulte Mais informação

OVNIs: dos fenômenos à cultura pop

The Vast of Night e o Dawn of UFO Mythology

O objeto em si, disse Fravor, parecia um "Tic Tac gigante branco" de 12 metros de comprimento. Fravor perseguiu o objeto, mas ele diz que logo "acelerou como nada que eu já vi" e foi embora.

Algumas horas após o encontro de Fravor, um segundo piloto encontrou outro objeto não identificado que ele capturou em seu sistema de vídeo infravermelho. Este vídeo é conhecido como vídeo “FLIR” ou “USS Nimitz FLIR1” e é um dos vídeos postados recentemente pelo DOD.

Os outros dois vídeos são chamados de vídeos “GIMBAL” e “GO FAST”. Ambos foram capturados em 2015 pelo USS Theodore Roosevelt Grupo Carrier Strike. Como o Nimitz, a Roosevelt A Strike Force encontrou objetos desconhecidos durante os exercícios de treinamento, desta vez na costa leste, da Virgínia à Flórida.

o New York Times incluiu os vídeos “FLIR” e “GIMBAL” no artigo de dezembro de 2017. “GO FAST” foi lançado pela TTSA alguns meses depois.

Se esses vídeos foram compartilhados pelo jornal oficial e pela TTSA em 2017, por que as manchetes dizem que os vídeos acabaram de ser lançados? Essa é uma boa pergunta e remete a informações conflitantes que saíram do DOD.

Deve-se notar que o vídeo “FLIR & # 8221” chegou à internet pela primeira vez em 2007. No entanto, muito pouco se sabia sobre ele. Fravor confirmou a autenticidade do vídeo em uma entrevista de 2015 no site militar SOFREP.com. Na entrevista, Fravor compartilhou detalhes de seu encontro com o OVNI e como o vídeo foi capturado. No entanto, ainda não se sabe como a filmagem chegou à internet.

O conteúdo do anúncio e # 8211 continua abaixo

Quanto ao New York Times versões dos vídeos, eles dão crédito à AATIP e ao Departamento de Defesa. No entanto, o DOD mais tarde afirmou que “o DOD não lançou vídeos relacionados a este programa”.

Em resposta, o ex-funcionário do DOD Elizondo me disse: “Os vídeos foram lançados de acordo com a maneira estrita que o DOD prescreve os manuais e regulamentos do DOD envolvendo a liberação de informações. Passou pelo processo oficial DOPSR ... ”

Leslie Kean, uma das autoras do Vezes artigos, me disseram que tinham examinado os vídeos e ela tinha visto um formulário (DD1910) enviado por Elizondo à Marinha que foi aprovado e demonstrou que os vídeos foram lançados. O DD1910 vazou mais tarde para o repórter investigativo George Knapp de Las Vegas. O DOD verificou que o DD1910 era real, mas afirmou que os vídeos não foram aprovados para lançamento público.

O DD1910 é intitulado “Pedido de Autorização para Divulgação Pública de Informações do Departamento de Defesa”. E o selo de aprovação declara: “Autorizado para Publicação Aberta”. Em resposta ao meu pedido FOIA, recebi uma cópia do DD1910 junto com a correspondência por e-mail entre oficiais da Marinha e Elizondo. Não há indicação de que a Marinha teve qualquer problema ao divulgar os vídeos.

Agora o DOD está finalmente reconhecendo que os vídeos são reais, mas afirma que este é o primeiro lançamento autorizado. Eles não deram detalhes sobre como o pedido de Elizondo não foi autorizado.

O histórico do DOD para precisão em relação ao AATIP não tem sido estelar. Eles já haviam alegado que a AATIP não tinha nada a ver com OVNIs, e Elizondo nem mesmo fazia parte do programa. O DOD, desde então, retratou ambas as reivindicações. Portanto, talvez a grande notícia não seja que o vídeo seja real ou que a Marinha os considere “não identificados”. Já sabíamos disso. Talvez a verdadeira história seja que o DOD continua a minar os fatos apresentados no New York Times artigo, apesar de seus esforços anteriores nesta frente terem se revelado desinformação.


História secreta: As audiências no Congresso levarão a um novo programa oficial de OVNIs?

O New York Times e o Politico chocaram o mundo no final de 2017 com revelações de que o Departamento de Defesa (DOD) tinha um verdadeiro "programa OVNI" que funcionou de 2007 a 2012. O programa já foi confirmado para investigar casos genuínos de ‘Fenômeno Aéreo Não Identificado’ (UAP), também conhecido pelo termo mais popular de Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs). O ex-diretor (Luis Elizondo) e um dos senadores que criaram o ‘programa OVNI’ (Harry Reid) foram registrados para confirmar isso como um fato. No entanto, como muitos no DOD estão ansiosos para apontar, isso não significa necessariamente o estudo de ‘homenzinhos verdes’. O que isso significa é que uma ameaça muito séria e potencial foi relatada e identificada. As naves tecnológicas foram oficialmente capturadas em imagens de câmeras de armas, radares e testemunhadas por vários testemunhos de pilotos, todos indicando que isso está além da propulsão aeroespacial de próxima geração. Atualmente, a posição oficial do DOD é que não há nenhum 'programa OVNI' atual após o encerramento do Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (AATIP) em 2012. No entanto, com as recentes revelações piloto e o interesse emergente do Congresso, precisamos examinar o quão apropriado pode ser um programa recém-financiado que investigue OVNIs.

De acordo com Bryan Bender, que escreveu para o Politico em abril de 2019, a Marinha dos Estados Unidos está atualmente elaborando novas diretrizes para pilotos e outros oficiais da Marinha para documentar encontros com estes & # 8220aeronave não identificada”. Isso foi supostamente o resultado de uma ameaça emergente à segurança nacional com relação a esses objetos bizarros e a inevitável e consequente pressão do Congresso.

& # 8220Em resposta a pedidos de informações de membros do Congresso e funcionários, oficiais da Marinha forneceram uma série de instruções por oficiais de Inteligência Naval, bem como aviadores que relataram perigos para a segurança da aviação, & # 8221 o serviço disse em seu comunicado ao POLITICO.

& # 8211 Bryan Bender, Politico, 2019

Embora membros da equipe do Congresso tenham pedido para não serem nomeados, há cada vez mais casos que sugerem que esta iniciativa tem se concentrado no comitê das forças armadas do Senado (vários documentos). Até mesmo o surgimento da "Força Espacial" convenientemente formulada foi sugerido como um precursor para investigar esses estranhos casos de OVNIs no nível classificado, embora isso simplesmente permaneça altamente especulativo neste ponto. o quase O fato estabelecido de que o congresso foi informado sobre OVNIs é a única grande notícia na Ufologia desde 1969.

O conceito de políticos que abordam o assunto OVNIs melhorou significativamente em credibilidade após as revelações de 16 de dezembro de 2017. Conforme relatado no Den of Geek, o Politico realizou um evento em abril de 2018 marcando o lançamento de seus resumos de notícias espaciais. O painel foi formado por ilustres convidados que incluíam o Representante Ami Bera (Democrata, Califórnia), Randy Hultgren (Republicano, Illinois) e o Presidente e CEO da Coalizão para Exploração Espacial Profunda, Mary Lynne Dittmar. O Sr. Bender trouxe à tona a delicada questão dos OVNIs, que recebeu uma resposta positiva do painel.

“Na verdade, conversei com o presidente do subcomitê, Brian Babin, bem como com Lamar Smith, o presidente de todo o comitê”, explicou Ami Bera. "Eu disse que deveríamos ter uma audiência sobre isso, certo?"

O Sr. Bera continuou. “Não sabemos o que são esses fenômenos. Obviamente, é importante o suficiente alocar alguns fundos e devemos conversar sobre o que podemos conversar. ”

& # 8211 Den of Geek, maio de 2018

Este é sem dúvida um nível de credibilidade que o fenômeno UFO nunca recebeu em seus 70 anos de história. Os apelos para o envolvimento do Congresso foram ouvidos, mas compreensivelmente envoltos em segredo. Apenas rumores surgiram sobre quem foi informado, algumas alegações são mais prováveis ​​de ter ocorrido do que outras.

O que possivelmente foi abordado nas instruções do Congresso?

Em boa fé de especulação contínua, é até sugerido que Bob Lazar (Área 51, S4) pode ter dado testemunho sobre os alegados discos voadores / piões que deveriam estar escondidos em um programa de acesso especial deep dark. Bob Lazar junto com o repórter investigativo George Knapp são a razão pela qual o mundo sabe sobre a Área 51, suas alegações giram em torno do governo americano ter capturado discos voadores. Eles estão supostamente armazenados em um bunker construído ao lado de uma cordilheira em uma área chamada 'S4'.

O vídeo "Gimbal" recentemente desclassificado, que aparentemente mostra um objeto clássico em forma de "disco voador" junto com sua manobrabilidade rotativa única, fez com que algumas pessoas notassem Bob, que nunca alterou sua história em 25 anos. Se ele participou das instruções do Congresso é outro assunto, é especulação e deve ser fortemente rejeitado (a menos que mais dados futuros sejam disponibilizados).

Dito isso, isso certamente seria interessante à luz da resposta de Christopher Mellon a um locutor de rádio quando questionado sobre a Área 51 e a existência de corpos alienígenas mortos.

A Área 51 é uma instalação ultrassecreta de pesquisa e desenvolvimento dos EUA em Nevada, situada no Lago Groom.

Chris Mellon, um homem bem relacionado que trabalhou para o Pentágono e supervisionou os orçamentos do programa da Área 51. Aparentemente, 8 pessoas no congresso podem solicitar todos os dados em um SAP, não importa o quão escuro ele possa ser. Ele está insinuando algo e seria errado adivinhar?

Para The Stars Academy (uma empresa privada dedicada à investigação de OVNIs), os membros Luis Elizondo (fmr. Diretor da AATIP) e Christopher Mellon (fmr. Subsecretário Adjunto de Defesa para Inteligência) supostamente estão por trás da pressão para que o congresso se conscientize, e também para o congresso ser informado em segredo sobre 'OVNIs'. Segundo consta, isso ocorreu no nível classificado e não classificado. Uma carta oficialmente verificada entre o DIA e o comitê do senado de John McCains nos mostrou os primeiros sinais de interesse em janeiro de 2018. Nick Pope nos confirmou em um artigo anterior que ele mesmo havia participado de briefings solicitados sobre informações não confidenciais do Reino Unido relativas a OVNIs. (Nick Pope estava no Ministério da Defesa, chefiando o departamento de OVNIs do Reino Unido).

Uma carta do DIA ao congresso sobre a iniciativa AATIP (Agradecimentos a George Knapp).

Registro do Congresso: Carta de notícias da Câmara dos Representantes mencionando o interesse do Congresso na AATIP (Agradecimentos a Keith Basterfield e Paul Scott Anderson).

Não está claro quantos encontros de OVNIs foram incluídos em tais briefings confidenciais, sabemos que Nick Pope deu testemunho. Afinal, há 70 anos de dados de OVNIs de civis para recorrer. Todas as formas de OVNIs, cubos, discos voadores, formas de charutos, triângulos, bumerangues, orbes, etc, foram relatadas. Os relatos de casos chegam a dezenas de milhares de todos os países, de todas as décadas, de todos os anos. Há tantos dados sobre encontros de UFOs com civis que é uma vergonha para a riqueza. Isso não quer dizer que todos os casos são tão confiáveis ​​quanto os incidentes USS Nimitz ou USS Roosevelt recentemente desclassificados, mas talvez eles não devam ser descartados imediatamente.

Interesse de objetos voadores não identificados em nossas armas nucleares

Qualquer ocorrência de atividade OVNI e instalações / armas nucleares parece estar no topo da agenda da política de segurança nacional. Veja o incidente na floresta de Rendelsham em 1980 como um exemplo, algo em que Pope está bem versado. A base dos EUA, que era associada como uma instalação nuclear, estava localizada no sul da Inglaterra nas décadas de 1970-80. Uma nave triangular bem documentada aparentemente se interessou por algo na base antes de pousar na floresta para a polícia militar investigar, de perto, por 45 minutos. A nave então decolou em "velocidades impossíveis" para citar Jim Penniston, o oficial militar no local.

Rendelsham Forest é apelidado de "Roswell da Grã-Bretanha" devido à credibilidade do caso.

A Ufologia tem uma longa história de encontros de OVNIs em torno de instalações nucleares. Múltiplas alegações de OVNIs desligando e ativando armas nucleares não são incomuns, porém não são reconhecidas por nenhum governo. Questões como adulteração nuclear de OVNIs relevantes para a segurança nacional deveriam ter sido consideradas nas instruções do Congresso de 2017/18. Isso é baseado na base factual de cada caso, entretanto, o quão verificável cada encontro realmente é dependeria da avaliação formal do DOD. Portanto, sem detalhes específicos, simplesmente não sabemos o que foi discutido.

Relatos de casos de OVNIs oficialmente desclassificados

Podemos supor com segurança que dois casos foram levados ao congresso. O USS Nimitz (2004) e o USS Roosevelt (2014-15).

O caso mais famoso do USS Nimitz envolveu uma frota de objetos. De acordo com o testemunho de Kevin Day (documentários não identificados), que era o operador de radar do Nimitz no momento do incidente, havia até cem objetos 'tic-tac'. O aparentemente caiu do céu como chuva. Isso foi conseqüentemente apoiado por outro operador com o nome de Gary Voorhis, que deu testemunho a Chris Mellon (documentários não identificados).

A descrição do meu piloto David Fravor (comandante dos black ases) e de seu piloto de asa (Anonymous) foi que o objeto em questão é uma nave branca de 40 pés de comprimento sem asas, motor ou rotadores. Aparentemente, ele tinha a capacidade de manobrar como uma bola de 'pingue-pongue' e atingir velocidades hipersônicas de um ponto morto.

O vídeo FLIR, também conhecido como TicTac UFO

“O programa também estudou um vídeo que mostra um objeto oval esbranquiçado descrito como um Tic Tac gigante, do tamanho de um avião comercial, encontrado por dois caças da Marinha na costa de San Diego em 2004”

& # 8211 Blumenthal, Cooper And Kean, New York Times, 2017

Mais relatórios entraram em foco nos últimos anos, desta vez na costa leste da América e apenas a quilômetros da capital do país. O incidente USS Roosevelt (2014-15) está associado ao vídeo "Gimbal" do pentágono desclassificado, lançado em dezembro de 2017.

The Flying Disc/Saucer, spinning top, aka, the Gimbal video

The Roosevelt case has seen two Navy pilots come forward, Lt, Danny Accoin and Lt.Ryan Graves to give statements to the New York Times, the pentagon and to congress as part of the 2017/18 briefings. Both flew F/A- 18 super hornets and were part of the ‘Red Rippers’ squadron. Apparently, there are other pilots in the squadron who spoke with the NYT (and congress?) however, they have not been named.

“The pilot and his wingman were flying in tandem about 100 feet apart over the Atlantic east of Virginia Beach when something flew between them, right past the cockpit. It looked to the pilot, Lieutenant Graves said, like a sphere encasing a cube”

– Blumenthal, Cooper And Kean, New York Times, 2019

From what we can gather there are two separate types of UFO from the specific 2014/15, East Coast U.S.S. Roosevelt encounters.

The ‘Gimbal’ video – Flying Disc/spinning top objects and the ‘Go Fast’ video – Cube in a sphere objects (unconfirmed that ‘Go Fast’ is the actual object is the cube).

‘Go Fast’ video, possibly the Cube in a sphere UFO.

The propulsion of these reported craft, the ‘tictacs’, ‘spinning tops’ and ‘cubes in spheres’ are all displaying similar advanced characteristics, aka, the 5 observables as stated by AATIP. The origin of all three types of UFO are not yet publicly known or declassified, nor is the potential friendly or hostile relationship between the three.

The 5 observables of AATIP regarding UFOs

‘The strange objects, one of them like a spinning top moving against the wind, appeared almost daily from the summer of 2014 to March 2015, high in the skies over the East Coast’ Reported in the New York Times 2019.

– Blumenthal, Cooper And Kean, New York Times, 2019

The New York Times article directly quotes the various pilots as coming forward due to frustration, stemming from almost being involved in a midair collision with one of these objects. This causes us to soberly question the origin of the objects, along with their ability to transcend the horizon for a dead stop or travel underwater at high speeds.

Are radar tracking their trajectory from space?

Essentially, we are looking at a aerospace propulsion/technology with an extreme form of exotic physics not known about or understood in the mainstream scientific world.

Most of the current debate is whether an foreign adversary has developed such extremely advanced propulsion craft that defy the current understanding of aerospace physics, if these objects are part of a deeply classified drone project or whether they are from some place else entirely (not human made).

The recent forthcoming pilot statements have in their own way brought credibility to UFO research, however they have also continued to add to uninformed speculation.

Consequently, as a result of AATIP many people assumed that the United States government was on the verge of disclosing all they know about Unidentified Flying Objects (UFOs). They were not. The Advanced Aerospace Threat Identification Program (AATIP) had been stripped of its funding (by demon fearing Christians), and we are told active attempts were made from deep within the DOD to squash the program along with another program, the Advanced Aerospace Weapons System Application Program (AAWSAP). The director of AATIP, Luis Elizondo, quit in protest that leadership was not being informed.

Luis Elizondo, Fmr. AATIP Director

What evidence for current UFO programs?

Rumours of special access programs (SAPs) with ‘evidence’ of UFOs was outed by former senator Harry Reid in an interview with investigative journalist George Knapp. Senator Reid originally funded and orchestrated the formation of AATIP and has, in recent interviews, even called for official, unclassified congressional hearings. It is unknown if the public will ever get access to such sensitive material, maybe that is the importance of ‘To The Stars Academy’ (TTSA), who are seemingly acting like a bridge to transport delicate information across from deep black SAPs and into the mainstream.

Sadly however, many conspiracy theorists have struggled with the concepts surrounding the AATIP revelations, they certainly have struggled with understanding TTSA. They want ‘D’isclosure’, and by that they mean everything, they want the hanger doors to be opened so they we can see the alleged saucers and the bodies. It is argued by some that strategy should not be mistaken for disinformation, the DOD have a duty of care to protect more than ‘sources and methods’. The introduction of a platform for pilots to report UFO encounters at the unclassified level have brought some level of credibility from within the mainstream media and coverage is slowly changing.

How close we are to seeing the results of such pilot data reporting remains to be seen. Luis Elizondo, the heavily vetted and confirmed former director of AATIP (from multiple sources, including DOD spokespersons) has suggested we may see an overview of the data from pilot encounters in a way that protects sources and methods. We can ask the question of exactly where this data will be filtered through to within the DOD, what program will deal with the reports such as the USS Roosevelt and Nimitz?

It has been subtlety hinted by Luis Elizondo in a December 2018 interview with George Knapp that a newly funded pentagon program may be implemented to study UFOs/UAPs.

Anchor:

“Among the potential developments in 2019, could the Pentagon launch a new, publicly acknowledged UFO study effort?

Reporter George Knapp: “Something like AATIP (Advanced Aerospace Threat Identification Program), when a larger, not only private TTSA, but also on the inside?”

Elizondo: “Wouldn’t that be a great accomplishment George?”

– SilvaRecord , 2019

Rumours which originated from Jeremy Corbell suggest that there are others in existence that resonate around crash retrieval and biological UFO associated programs, currently working within the pentagon. These are just rumours (tho they come from arguably credible Ufology sources, as credible as they can be in Ufology anyways).

So if the next step is congress coming back with a newly funded UAP/UFO program that is appropriately funded in all areas, employs the best and brightest minds, takes pilots reports and radar data whilst also looking at how to protect national security along with some form of anti-probing measure, then surely that is worth supporting.

How close is a new verified UFO program and what are the implications?

A 2019 Rolling Stones interview with Tom Delonge suggested that there is in-fact a current ‘UFO program’ within the DOD. Tom Delonge, known for telling it like it is, has once again informed the a startled public that the U.S. government is taking UFOs very seriously. The Unidentified docuseries looks set to bring more disclosures.

“You’re going to see stuff towards the last couple episodes that … you’ve never seen this kind of stuff, dealing with this subject, on television. On television, it’s usually guys chasing lights in the sky and they’re out in the middle of the desert. You will see the Majority Leader of the Senate, Harry Reid. You will see the intelligence agents of other NATO allies. You will see members of the current real program. You won’t see their faces, but you’ll see elements of that. You’ll see the data, you’ll see us dealing with Congress. And what you’re going to see is the world being awakened”

– Tom Delonge, Rolling Stones Interview, 2019

On the cautionary side, any such revelations to the general (Non-UFO) public that would disclose a current DOD ‘UFO program’ must expect an extreme backlash. Some of the scientific community have reacted very sceptically to the Navy pilot revelations. Famous scientist personality Bill Nye in an interview with CNN leads with the military technology explanation.

“..it’s probably one part of the military not telling the other part of the military what they’re up to, for a good reason.”

– Bill Nye, CNN, 2019

We also witness prestigious news outlets such as Space.com lead with the ‘anything other than extraterrestrials’ approach. The article in space accepts that UFOs are real but assures the reader they shouldn’t default to Aliens, this is good advice as we shouldn’t default to anything other than the AATIP 5 observables. A classification system taken from a DOD program specifically designed to sidestep speculation and conjecture.

Letting the evidence speak for itself would be a step in the right direction. A platform for providing the public access to this evidence must be made, not to prove the existence of extraterrestrials but to prove there is a need to have the conversation.

Should a foreign adversary have this advanced technology and then be using it to monitor nuclear weaponry is unthinkable. But even more unthinkable is the potential denial of our place in the cosmos simply because we cannot have a conversation.

The simple answer is for governments around the world to open up the issue to the people.


Calm Down, Everyone: The ‘UFOs’ Aren’t Aliens

Image from the Pentagon’s “Gimbal” video. (ABC News/Screengrab via YouTube)

P olitical figures ranging from Barack Obama to Tucker Carlson all seem to think UFOs may pose a serious threat to national security, but likely explanations for recent UFO sightings are far less out-of-this-world.

A remarkable number of news outlets are running stories about the expected release of the Pentagon’s Unidentified Aerial Phenomena Task Force report to the Senate next month. A recent 60 minutos piece claimed UFOs were spotted in restricted U.S. airspace “every day for at least a couple years.”

When asked about UFOs on CBS’s The Late Late Show on Monday, former president Barack Obama admitted he had looked into the subject while in office. “We can’t explain how [UFOs] move, their trajectory,” he claimed. “They did not have an easily explainable pattern.” Democrats are modestly more likely than Republicans to believe in UFOs, but belief in them is a bipartisan phenomenon.

More in UFOs

U.S. Government Releases Inconclusive Report on Unidentified Object Sightings, Doesn’t Rule Out Aliens

So the UFOs Are Real. Now What?

Calm Down, Everyone: The ‘UFOs’ Aren’t Aliens

Pentagon Consultant Briefed Senators on Discovery of ‘Off-World Vehicles Not Made on This Earth’

The Conventional Wisdom on UFOs Is Shifting

Harry Reid Claims U.S. Government Covered Up UFO Evidence for Years

The UFOs Might Be Aliens — or Something Else We Can’t Explain

UFO or Foe?

Congress Should Do Its Job (Investigating UFOs, Obviously)

How Your Tax Dollars Went to Harry Reid’s Friend to Research UFOs

Fox News host Tucker Carlson aired similar concerns. “The Pentagon admits it doesn’t know what in the world this is. That’s all you need to know,” he told viewers. He cited examples of UFO sightings by the Navy and opined, “From a national-security perspective, [UFOs are] a very big problem.” (Disclosure: I regularly wrote articles about UFOs and the potential for extraterrestrial life when I worked for Carlson as a science reporter at The Daily Caller.)

What much of the recent news coverage fails to mention is that “Unidentified Flying Object” does não mean either “alien spacecraft” or even “extremely advanced drone.” And the videos disclosed so far all have obvious potential terrestrial explanations.

The renewed interest in UFOs is primarily driven by three grainy, black-and-white, infrared videos. The Navy confirmed that the videos — titled “GoFast,” “FLIR,” and “Gimbal” — captured UFO encounters by jets from the aircraft carriers USS Nimitz e USS Theodore Roosevelt.

Carlson’s coverage of the “GoFast” video expressly claims it shows “technologies that are far beyond our current understanding of aerodynamics” and reveals “things that are maneuvering in ways that no aircraft that we are currently aware of have the capability to.” He adds that the UFOs “have no flight surfaces, no wing or anything approaching a wing . . . and no propulsion, so infrared doesn’t pick up any jet trail or rocket exhaust.”

The video shows a small object apparently moving low across the water. However, the UFO was almost certainly a seabird or balloon distorted by parallax. Parallax is an effect that makes an object close to an observer, but filmed against a more distant background, seem to speed up as the camera moves. Data from the Navy camera clearly indicates the unidentified object had a wingspan of about four to seven feet in diameter, roughly the wingspan of a Canadian Goose, and flew at an altitude of 8,000 feet, well below the 29,000 feet maximum altitude of the bird. Alternatively, the Department of Defense description of the object expressly mentions a balloon (perhaps a weather balloon) as a possible explanation in the paperwork that accompanied the release of the video.


NYT: GIMBAL Video of U.S. Navy Jet Encounter with Unknown Object

The comment is at 40:24 give or take a few seconds. I agree he definitely says it (Gimbal) switches to TV mode. Maybe he is unconsciously thinking of the FLIR1 video, where there is such a switch. But it's still a surprising mistake to make when the Gimbal video is in front of him.

[Written before I saw Jarlmai's comment above.]

Daniel F

Membro

Daniel F

Membro

Jarlrmai

Active Member

The videos have names, these names seem to have been assigned to them by the US Military as they appear on the official documents requesting the release (although TTSA misspelled it "Gimble" on the form.)

So we have the Navy calling the video we are discussing in this thread "GIMBAL" it also just so happens that this video apparently demonstrates a problem with the ATFLIR (Advanced Targeting, Forward Look Infra Red) system where it's "gimballed" 2 axis camera system will get to positions when tracking where a fast major rotation of the front element can occur and that this combined with the de-rotation system can cause odd effects on glares in the video. So the Navy called it GIMBAL for some reason and it seems to show a gimballing issue. So that seems quite the coincidence does it not?

There is another video called by the Navy "Go Fast" taken on the same flight/plane/crew as GIMBAL which shows something on ATLFLIR looking like it's "going fast" when it isn't. Is it possible there's an implied question mark on this video name. That both short clips are known by the Navy to show some common issues/misconceptions that pilots might have when looking at object purely on ATLFLIR.

There is also a video called FLIR or Nimitz, this is the Underwood/Fravor video which doesn't seem to have a name that relates to any issues it might show.

All the videos seem to show footage from Navy Raytheon ATFLIR pods fitted to F/18 aircraft operating from US Navy ships.


USS Roosevelt UAP incidents: Gimbal UFO and other strange objects

US Navy F/A-18 Super Hornet pilots Lt. Ryan Graves and Lt. Danny Accoin report to have seen strange flying objects during trainings for a deployment to the Persian Gulf.

The objects demonstrated outstanding flying capabilities, such as 12 hours in air operation at high speeds, and no visible engine or infrared exhaust plumes.

Graves, Accoin, and three other pilots who declined to be named, reported in interviews with The New York Times what they have seen. Graves also reported his sightings to the Pentagon and Congress.

On April 27, 2020 the DoD officially released a statement along with three videos already known to the public, admitting that those videos were indeed Navy videos showing UAP that remain "unidentified". Two of those videos are the "GOFAST" and "GIMBAL" videos which were featured in reports on the USS Roosevelt incidents from 2014 to 2015.

Incident date: 2015-01-20 | published: 2019-11-25 | updated: 2021-02-15

Related categories and tags

Detailled case description

The U.S. Navy aircraft carrier USS Theodore Roosevelt was conducting a training mission for a deployment to the Persian Gulf . The maneuvers took place in the Atlantic Ocean near the US East Coast between Virginia and Florida.

During this mission, from summer of 2014 to March 2015, several pilots and other Navy personell encountered strange objects, almost on a daily basis. The UAPs were noticed by the pilots after their 80s-radar was upgraded to a more advanced system.
Lt. Graves, Lt. Accoin and other pilots who had UAP encounters were part of the VFA-11 "Red Rippers" squadron, based at Naval Air Station Oceana, Va.

According to Lt. Graves, there are more than 50 witnesses of multiple UAP encounters. Five of them spoke to The New York Times but only Graves and Accoin allowed to be named.

Graves and others report that the objects demonstrated outstanding flying capabilities, such as 12 hours in air operation at high speeds, and no visible engine or infrared exhaust plumes. Also mid-air tilting like a spinning top without losing altitude, as well as low visual observability is mentioned. They appeared almost daily, high in the skies over the East Coast, and were noticed by the pilots after their radar systems were upgraded to the latest iteration.

In late 2014, a Super Hornet pilot had a near collision with one of the objects, and an official Mishap-Report was filed. The pilot of that aircraft told Lt. Graves that he and his wingman were flying in tandem about 100 feet apart when something flew between them. The pilot decribed the obejct as "a sphere encasing a cube".

Some of the incidents were captured on videos, that were taken by F/A-18 Super Hornets with an ATFLIR targeting pod. One video was released to the public named "Gimbal" on December 16, 2017. According to The New York Times, the incident took place off the coast of Jacksonville, Fla., on Jan. 20, 2015. The other video is named "Go Fast" and has been published on March 9, 2018. The second video was allegedly taken a few weeks later.

Lt. Danny Accoin stated that he recognises the voices in the videos and that he personally knows the pilot(s) and their weapon system officer(s) that can be heard on the videos.

The two videos "Gimbal" and "Go Fast" have been released to the public due to efforts of Luis Elizondo, who allegedly headed the Advanced Aerospace Threat Identification Program (AATIP) until he resigned in October 2017. Shortly after leaving the Pentagon, Elizondo joined To The Stars Academy of Arts & Science in the role of Director of Global Security and Special Programs. TTSA published videos, reports and interviews on that topic, starting from December 16, 2017. The New York Times and The Washington Post broke the story that day, including the "Gimbal" video.

On April 27, 2020 the Department of Defense has authorized the release of the unclassified Navy videos "GOFAST", "GIMBAL" and one other video which can be found at the Naval Air Systems Command FOIA Reading Room.

The authenticity of the videos has been later confirmed by Susan Gough, a spokeswoman for the Pentagon, as well as by Joseph Gradisher, spokesperson for the deputy chief of Naval Operations for Information Warfare.

Gradisher told The Black Vault on September 10, 2019 that "the Navy designates the objects contained in these videos as unidentified aerial phenomena". Gough earlier said "the videos were never officially released to the general public by the DoD and should still be withheld".

On April 27, 2020 the Department of Defense has released a statement which confirms that the videos are indeed Navy videos and that the aerial phenomena observed in the videos remain characterized as "unidentified".



Comentários:

  1. Adel

    There is something in that, too, it seems a good idea to me. Concordo com você.

  2. Navid

    É bem dito.

  3. Aegisthus

    Frio !!! À noite eu definitivamente vou olhar

  4. Faemuro

    Diga -me, por favor - onde posso encontrar mais informações sobre este tópico?

  5. Rider

    Quero dizer, você não está certo. Eu posso provar. Escreva para mim em PM, nós lidaremos com isso.

  6. Chval

    Peço desculpas, mas acho que você está errado. Eu posso provar. Escreva para mim em PM, nós lidaremos com isso.

  7. Patten

    Em vez disso, os críticos escrevem melhor suas opções.



Escreve uma mensagem